segunda-feira, 21 de maio de 2018

Resultados fracos fazem acender a luz amarela no Santos FC

Por Lula Terras

Jair Ventura queixa-se da falta de um camisa 10 no elenco do Santos

O mau desempenho dos atletas do Santos FC, nos últimos jogos ameaça que seja acesa a luz amarela no seu Departamento de Futebol. Tirando a derrota deste domingo, contra o São Paulo, que também não passa por bons momentos, por 1 a 0, no Morumbi que, mesmo sem mostrar ter forças para reagir a um resultado negativo, a derrota pode ser considerada normal, em se tratando de duas equipes grandes. 

Mas, o que merece maior reflexão foi o jogo da quinta-feira, dia 17, no estádio Passo das Emas, em São Lucas do Rio Verde, no Mato Grosso, contra o Luverdense, no jogo de volta da Copa do Brasil, em que atuou com um time misto e saiu derrotado, numa partida em que foi totalmente dominado pela equipe adversária. O resultado de 2 a 1 para o time da casa, que não foi o suficiente para a classificação dos mato-grossenses, devido a derrota no jogo de ida, por 5 a 1 para o Santos, na Vila Belmiro. Nos últimos cinco jogos fora de casa, o Peixe perdeu todos!

O jogo em si serviu para mostrar as deficiências do elenco, que não são poucas, tanto no grupo tido como titular, como entre os reservas, que não aproveitaram a oportunidade para mostrar serviço e colocar dúvidas positivas na cabeça do treinador Jair Ventura que, também tem sua parcela de culpa, assim como a diretoria que vive anunciando contratações de peso e o que conseguiu até agora, foram apenas três, por empréstimo: Eduardo Sasha, Dodô e Gabriel Barbosa. Desses, Sasha acabou contratado em definitivo, numa transação que envolveu a ida do lateral Zeca para o Internacional, de Porto Alegre. Vale lembrar que Jair Ventura reclamou da falta de um meia no elenco, o tradicional camisa 10.

A expectativa que fica é a paralisação das competições oficiais, no período de 14 de junho a 15 de julho, durante a realização da Copa do Mundo da Rússia, que também coincide com a abertura da janela de negociações no futebol europeu. Vamos esperar que a diretoria santista tenha a competência de fazer bons negócios, que garantam uma melhora técnica em seu elenco, e que o restante da temporada de 2018 termine sem sustos para os torcedores.

Ah Deus, adeus!

Por Fábio Lázaro
Fotos: Josep Lago/AFP

O Camp Nou fez uma grande festa para a despedida de Iniesta do Barcelona

O destino poderia ter sido menos maldoso conosco e pular o penúltimo final de semana de abril de 2018. Não só para cair direto na decisão da Champions League, mas principalmente para nos poupar de tão amargo adeus. Talvez lá no ano que vem é que venhamos a entender como passou tão rápido. Não esta temporada do futebol, mas a grande passagem de Andrés Iniesta pelo Barcelona.

Quando as luzes do Camp Nou se apagaram, Iniesta ainda estava lá. Provavelmente se despedindo a luz do escuro do palco que mais o viu brilhar. A casa do Barça foi também a sua casa e viu o seu surgimento, as suas maiores atuações, mas não o seu ponto mór de estrelato.

Soccer City, Johanesburgo, África do Sul. 11 de julho de 2010. O tempo regulamentar já tinha esgotado e a prorrogação caminhava para o final. Três minutos separavam a decisão da Copa do Mundo FIFA, entre Espanha e Holanda, da marca da cal. Ou melhor, três minutos separavam a decisão da Copa do decisivo Iniesta. Aos 12 minutos do segundo tempo extra, Andrés recebeu a bola na meia direita na entrada da grande área e com olhos fitos na meta, como um touro fixo na vermelha bandeira do toureiro, encheu o pé com toda fúria espanhola para encher o coração espanhol de emoção. É de Iniesta o gol da única copa da Seleção Roja.

E Iniesta só não foi além, pois alguém do além jogava junto com ele, Lionel Messi. Numa injustiça humana, sempre decidiram que Messi era o melhor jogador do planeta à frente de Ini, mas esqueciam sempre que Messi é tudo, menos do Planeta Terra.

Muitos consideram o meia o melhor espanhol de todos os tempos

Talvez sempre colocaram o argentino em um patamar acima do espanhol, pois sabiam que Iniesta nunca foi só um, foi dois. E a chave para desvendar esse segredo é o Xavi que o acompanhou desde as Canteiras da Catalunha. Era o cara naoqual Iniesta trocava as camisas 6 e 8 entre clube e seleção com a mesma naturalidade em que trocava passes no Barcelona e na Espanha. Exímio exemplo de regularidade contínua, que não dependia de camisa vestia. As metades da laranja, dois “armantes”, dois irmãos.

Mas foram mais que duas forças que se atraíram. Eram muitas. Imantado-a com a bola no pé. Cerebrais.

Sonho lindo de se ver. E nós vimos.

Iniesta, eu já tô morrendo de saudade de você.

domingo, 20 de maio de 2018

Jabuca, no Sub-17, faz chover gols no Espanha – O fim de semana da base

Por Lucas Paes

O sub-17 do Jabuca venceu e fez chover no Estádio Espanha (Foto: Divulgação Jabaquara AC)

O fim de semana marcou mais uma rodada do Campeonato Paulista nas categorias de base. O destaque ficou com o Jabuca, que goleou o Mauaense no sub-17, no sábado, mesmo diante de um gramado alagado. Outro fato legal é que começaram os jogos do sub-11 e do sub-13, na manhã deste domingo, dia 20. 

Começando pelo Jabaquara, que pegou o Mauaense no Estádio Espanha. O sub-17 não tomou conhecimento do Mauaense e venceu por 4 a 1, gols de Vinicio, Alemão, de falta e João Henrique, duas vezes. O gol da Locomotiva foi de Lucas Alves. Mais cedo, o time de Mauá se deu melhor no sub-15, vencendo por 2 a 1, gols de Matheus e Izaque. Mario diminuiu parao time da casa. 

Quem também não tomou conhecimento do adversário foi o sub-15 do Santos. Os Meninos da Vila foram ao Pedro Benedetti e meteram 6 a 0 no Mauá FC. Os gols foram de Kevin, Felipe (dois para cada um), Geraldo e Fernando. Já o sub-17 foi mais econômico e venceu só por 1 a 0, gol de Lucas, de pênalti.

A Briosa foi até o Baetão para enfrentar o EC São Bernardo e não se deu tão bem. No sub-15, o resultado acabou não sendo tão ruim, já que o 0 a 0 manteve os rubro-verdes na zona da classificação. Já o sub-17 da equipe de Ulrico Mursa acabou derrotado por 1 a 0, gol de Victor Bruno. 

A outra equipe de São Bernardo acabou vencendo os dois jogos por WO, já que a AD Guarujá acabou excluída das competições devido aos problemas com o Estádio Antônio Fernandes, que numa das histórias mais pitorescas do futebol brasileiro, serve para sediar uma seleção para treinos da Copa do Mundo, mas não é liberado para jogos do Campeonato Paulista.

O Santos também goleou no Pedro Benedetti 
(Foto: Maikon Camargo/SFC)

O União Mogi jogou em casa contra o Palmeiras e acabou não resistindo ao Verdão. No sub-15, os Palmeirenses fizeram 2 a 0, gols de Kewen Kaique e Adriel Lucas. No sub-17, a vitória do Alviverde Imponente foi por 3 a 0, gols de Luan Candido (2) e Marcos Domingos. 

Na próxima rodada, o Jabaquara vai até o Pedro Benedetti enfrentar o Mauá FC. O Peixe faz clássico com a Briosa, no CT Rei Pelé. Outro clássico é o duelo dos São Bernardos, no Baetão. Todos os jogos ocorrem na manhã do próximo sábado, dia 26.

Sub-20: Santos vence fora de casa e EC São Bernardo perde 

No sub-20, a tarde de sábado reservou uma surpresa boa para o Santos. Mesmo jogando no Baetão, os santistas conseguiram uma vitória simples diante do São Bernardo FC. O gol de Patrick Valverde deu aos Meninos da Vila três pontos importantíssimos. 

Já o EC São Bernardo não teve tanta sorte. O Bernô foi até o Novelli Júnior, onde o Palmeiras mandou o jogo e acabou derrotado por 1 a 0 pelos palestrinos. Rafael Elias marcou o gol palmeirense. 

Na próxima rodada, o Santos encara o Água Santa, no CT Rei Pelé, enquanto o EC São Bernardo terá pela frente o Audax, no Baetão, no ABC Paulista. Ambos os jogos ocorrem na tarde do próximo sábado, dia 26. 

Começam o Sub-11 e o Sub-13 

Na manhã deste domingo, dia 20, também começaram as categorias sub-11 e sub-13. Santos, Jabaquara e União Mogi jogaram. O destaque ficou por conta do clássico entre Santos e Corinthians, no CT Meninos da Vila.

Sub-13 do Peixe venceu o clássico contra o Corinthians
(Foto: Maikon Camargo/SFC)

O clássico alvinegro ficou marcado por dois jogaços. Primeiro, no sub-11, o Timãozinho venceu por 2 a 1, gols de Anderson e Guilherme para o Corinthians e de Gustavo Rodrigues para os santistas. No sub-13, por sua vez, o Peixe venceu por 3 a 2, de virada. Diogo e Fernando abriram dois de vantagem para o Alvinegro do Parque São Jorge, mas Bernardo e Isac (2x) marcaram os gols da virada santista. 

O Jabuca também fez um jogaço contra o Santo André, no Estádio Espanha. No Sub-11, as equipes empataram por 2 a 2, Nicolas fez os dois do Leão da Caneleira e Pablo fez os dois do Ramalhão. No sub-11, Giulio fez o gol da vitória do Jabaquara, por 1 a 0. 

O União Mogi jogou contra o Taubaté, fora de casa. No sub-11, o placar foi de 1 a 1, gols de Vinicius, para o Taubaté e Kaio Augusto para a Serpente. Já no sub-13, Lucas fez o gol da vitória do União. 

Na próxima rodada, que será realizada no domingo, dia 27, pela manhã, Santos e Jabuca jogam fora de casa, contra o Mauá FC e o Barcelona Capela, respectivamente. Já o União Mogi enfrenta o São José em casa.

Com gol de Diego Souza, São Paulo vence o clássico contra o Santos

Fotos: Rubens Chiri/São Paulo FC

Diego Souza ganha a jogada de cabeça de Deivid Braz para marcar

Invicto e no G-6 do Campeonato Brasileiro! Com gol de Diego Souza neste domingo (20), no Morumbi, o Tricolor venceu o Santos por 1 a 0 e saltou do 12ª para o sexto lugar, com dez pontos. De quebra, o São Paulo aumentou a invencibilidade na competição nacional, agora com duas vitórias e quatro empates – único clube que ainda não foi derrotado no torneio.

Para conquistar o importante resultado positivo, a equipe são-paulina contou mais uma vez com o apoio fundamental da torcida: 40 mil torcedores foram ao Estádio Cícero Pompeu de Toledo para empurrar o Tricolor neste salto na tabela. 

Jogando fora de casa, o primeiro tempo do Santos FC foi concentrado em explorar as brechas oferecidas pelo adversário. A primeira boa chance dos comandados de Jair Ventura saiu aos 12 minutos, quando Rodrygo puxou contra-ataque pela esquerda e inverteu para Gabriel, que emendou pelo alto para Eduardo Sasha concluir com uma bicicleta. A bola acabou saindo pela linha de fundo. Ao longo dos minutos seguintes, o Peixe tratou de neutralizar os passes do rival, sem ser atacado perigosamente até o término da etapa inicial.

Diego Souza marcou o único gol do jogo, dando a vitória ao São Paulo

Já a segunda etapa começou com duas faltas em cima de Gabriel, sendo uma delas muito dura e que gerou inúmeros pedidos de expulsão por parte do time santista. Anderson Martins acabou levando o amarelo pela infração, sendo o primeiro do jogo. Com os ânimos mais acalmados, a primeira chance da etapa derradeira saiu dos pés de Marcos Guilherme, que arriscou de longe, mas sem oferecer perigo ao gol de Vanderlei.

Aos 10 minutos o São Paulo abriu o placar com Diego Souza, que recebeu de Everton pelo alto e cabeceou sem chance para Vanderlei. Sem se abalar, o Peixe buscou a resposta com Jean Mota, que arriscou lindo chute de fora da área – mas Sidão conseguiu fazer grande defesa. Poucos minutos depois, Jean Mota novamente ofereceu perigo ao gol de Sidão, tentando um gol olímpico. O goleiro novamente fez boa defesa.

Aos 32 minutos, o Santos FC quase empatou com Yuri Alberto. Gabriel tocou forte para atacante, que chegou a tempo de tirar a bola de Sidão. Porém, sem ângulo, o avançado alvinegro não conseguiu êxito na finalização. Perto do final da partida, Yuri Alberto recebeu grande bola de Victor Ferraz pela direita, mas não conseguiu empatar o marcador.

No próximo final de semana, na disputa pelo topo da tabela, o São Paulo enfrentará o América-MG, em Belo Horizonte. Já o Santos volta a campo nesta próxima quinta-feira (24) contra o Real Garcilaso, na Vila Belmiro, pela sexta rodada da fase de grupos da Conmebol Libertadores.

Disputa de bola entre Nenê e Alison

Ficha Técnica
SÃO PAULO 1 x 0 SANTOS

Data: 20 de abril de 2018
Local: Morumbi - São Paulo-SP
Árbitro: Bráulio da Silva Machado (SC)
Assistentes: Kleber Lúcio Gil (SC) e Neuza Inês Back (SC)

Cartões amarelos
São Paulo FC: Anderson Martins, Militão, Reinaldo e Hudson
Santos FC: Yuri e David Braz

Cartão vermelho
São Paulo FC: Anderson Martins

Gol
São Paulo FC: Diego Souza, aos 10' do segundo tempomin/2ºT)

São Paulo FC: Sidão; Militão, Anderson Martins, Bruno Alves e Reinaldo (Edimar); Jucilei, Hudson, Nene e Everton (Liziero); Marcos Guilherme e Diego Souza (Tréllez) - Técnico: Diego Aguirre.

Santos FC: Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Alison (Jean Mota), Renato e Vitor Bueno (Yuri Alberto); Sasha (Copete), Gabriel e Rodrygo - Técnico: Jair Ventura.

Rússia 6 x 1 Camarões - Em 1994, o jogo dos recordes individuais em Copas

Por Victor de Andrade

Roger Milla e Oleg Salenko estão na história das Copas pelos recordes batidos no mesmo jogo

Enquanto o Brasil empatava com a Suécia, em Detroit, nos Estados Unidos, por 1 a 1, e garantia o primeiro lugar do Grupo B da primeira fase da Copa do Mundo de 1994, caminhando para a conquista do título, no mesmo dia, 28 de junho, acontecia uma partida em Palo Alto, no Stanford Stadium, que parecia valer pouco, mas que entrou nas história das Copas por ter a quebra de dois recordes individuais: Rússia 6, Camarões 1.

O jogo valia muito pouco para a Rússia, que com duas derrotas nas primeiras partidas (2 a 0 para o Brasil e 3 a 1 para a Suécia, de virada), precisava golear para tentar uma vaga nas oitavas de final através dos melhores terceiros colocados por índice técnico. Já Camarões, tinha um pouco mais de esperança, já que havia feito um ponto contra os suecos, a vitória poderia colocar os africanos no mata-mata ou coma  vitória dos brasileiros no outro jogo ou também pelo índice técnico.

Roger Milla comemorando o gol que entrou na história

Mas o que se viu em campo foi um completo domínio dos russos. Há uma questão que precisa ser deixada clara: os camaroneses estavam em litígio com a Federação local pela questão de premiação ainda pela classificação ao mundial, que não havia sido paga. O que se diz é que os jogadores receberam o dinheiro na véspera da partida e resolveram "comemorar", indo para o jogo totalmente quebrados. Isto ajudou Oleg Salenko a ser tornar um dos recordistas naquele dia. O outro, seria Roger Milla.

Começou o jogo e a Rússia, mais disposta, foi para cima e Salenko, que já havia marcado o até então único gol de seu time na Copa, de pênalti, contra a Suécia, estava em um dia inspirado. Só deu ele no primeiro tempo! O atacante abriu o marcador aos 15', fez o segundo aos 41' e aos 44', de pênalti, levou o jogo para o intervalo com o placar de 3 a 0 para os Russos.

Oleg Salenko marcou cinco gols no mesmo jogo

Para o segundo tempo, o técnico de Camarões, Henri Michel, colocava o ídolo Roger Milla na partida. Já veteraníssimo e voltando de uma aposentadoria só para jogar a sua terceira Copa do Mundo, o camaronês batia o recorde de jogador mais velho a atuar em um Mundial, com 42 anos e 39 dias. Porém, esta marca foi pulverizada em 2014 pelo goleiro colombiano Faryd Mondragón, que com 43 anos e 3 dias, atuou nos minutos finais da partida onde seu time venceu o Japão por 4 a 1.

Mas Roger Milla, na mesma partida, bateu outro recorde, só que este perdura até os dias de hoje. Logo no primeiro minuto da segunda etapa, o ídolo camaronês recebeu na entrada da área, protegeu a bola do zagueiro e bateu na saída do goleiro Cherchesov: Camarões diminuía e Milla, mais uma vez, entrava para a história: é até hoje o gol feito por o jogador mais velho na história das Copas.

Veja os gols da partida

Porém, os recordes nesta partida não pararam. Salenko estava 'endiabrado' e fez o quarto dele e da Rússia no jogo, aos 28'. Dois minutos depois, o próprio atacante fez outro, o quinto dele no embate, mas este era histórico: ninguém havia marcado cinco gols em um jogo de Copa do Mundo e este recorde é dele até hoje.

A Rússia ainda faria o sexto, com Radchenko, aos 36' da segunda etapa, e venceria os camaroneses por 6 a 1. O resultado acabou eliminando as duas equipes daquela Copa do Mundo, mas o jogo acabou ficando para a história pelos recordes individuais de Oleg Salenko e Roger Milla.

Flamengo bate o Vasco e conquista o Carioca Sub-20 de 2018

Fotos: Gilvan de Souza/Flamengo

Muita festa após o apito final: o Flamengo conquistava o Campeonato Carioca Sub-20

Com um gol de Pepê, de pênalti, no primeiro tempo, o Flamengo derrotou o Vasco por 1 a 0, na tarde deste sábado, dia 19, no Maracanã, e conquistou o Campeonato Carioca Sub-20. O jogo foi preliminar do clássico entre as duas equipes no profissional, válido pelo Campeonato Brasileiro, e que terminou empatado.

As duas equipes entraram no gramado do Maracanã em igualdade para a disputa do título. A primeira partida entre as equipes finalistas havia sido 1 a 1, por isso, o Rubro-Negro chegou ao título ao superar os cruzmaltinos.

Com um início de partida muito truncada em função da forte chuva que caia no Maracanã, os Garotos do Ninho não conseguiam dar sequência às jogadas em função das poças no gramado. Logo aos 10 minutos, o árbitro João Hennio Sobral interrompeu o confronto para que a chuva desse uma trégua e a drenagem do campo pudesse ser realizada.

Após quase 16 minutos de paralisação, o Flamengo voltou bem mais ligado. Com o campo menos encharcado, as equipes se soltaram e, aos 12 minutos, Vitor Gabriel arriscou da entrada da área, mas a bola foi para fora sem muito perigo.

O Flamengo chegava bem ao ataque com muita agressividade pelo lado direito com Bill, até que aos 37 minutos o lateral vascaíno Luan derrubou Yuri na grande área e o árbitro assinalou pênalti. Pepê foi para a cobrança e abriu o placar para o Mais Querido. O gol deu moral para o meio-campista, que logo em seguida teve duas ótimas oportunidades para ampliar o marcador. Em uma delas, aos 44’, Bill deu belo passe em profundidade, o camisa 10 rubro-negro invadiu a área e chutou cruzado, obrigando o goleiro Alexandre a fazer boa defesa.

Pepê, de pênalti, marcou o gol do título

Atrás do placar, o Vasco voltou para o segundo tempo procurando ser mais agressivo nas ações ofensivas e dava espaços para os contra-ataques. Aos 8 minutos, Bill tabelou com Vitor Gabriel na esquerda, o camisa 7 avançou e arriscou ótimo chute da entrada da área, mas o goleiro cruzmaltino espalmou para escanteio.

Assim permaneceu toda etapa final, os cruzmaltinos tentando chegar com mais efetividade ao gol e o Fla aproveitando muito bem os contra-ataques. Aos 17’, Michael levantou boa bola na área e Hugo Moura cabeceou com força, mas no meio do gol. Desta forma, o Flamengo conquistou seu 30º título do Campeonato Estadual.

O título Estadual se junta a outros dois na sala de troféus da Gávea. Só este ano, o Fla já conquistou a Copinha, a Taça Guanabara e agora o Campeonato Carioca. Vale lembrar que este é o 30º título da competição para o Flamengo na categoria.

sábado, 19 de maio de 2018

Com dois a menos, União Mogi faz gol no fim e vence o Amparo

Com a colaboração de João Vitor

O Amparo estava com a vantagem de dois jogadores a mais, mas levou o gol no fim
(foto: Mariana Antonacci)

O União Mogi, fora de casa, foi heroico na tarde deste sábado, em partida contra o Amparo, no Estádio José de Araújo Cintra, válida pelo Campeonato Paulista da Segunda Divisão de 2018. Mesmo com dois jogadores expulsos no decorrer do segundo tempo, a Serpente do Tietê conseguiu uma incrível vitória com um gol de pênalti, marcado por Guilherme, aos 44 minutos da etapa complementar.

Embalado pela vitória no clássico contra o Atlético, por 2 a 1, o União Mogi foi até Amparo em busca de mais um triunfo, que colocaria a equipe de vez na briga pela classificação para a próxima fase da competição. Já o time da casa também vinha de vitória: 1 a 0 contra o Joseense, fora de casa, e queria seguir na boa fase.

Jogada da equipe da casa (foto: Mariana Antonacci)

Antes de começar o jogo, foi estranho as arquibancadas vazias, já que a torcida do time da casa não estava presente. A Polícia Militar proibiu a entrada de instrumentos e faixas e isto atrapalhou a entrada dos adeptos no estádio. No início do primeiro tempo, as duas equipes se estudaram. Com isto, a bola ficou praticamente o tempo todo na intermediária, tendo poucos lances no ataque. Aos poucos, o Amparo, por jogar em casa, foi se soltando, buscando abrir o marcador. Porém, a partida foi para o intervalo com o placar de 0 a 0.

No segundo tempo, o jogo ganhou em emoção, já que o cartão vermelho teve que ser acionado duas vezes. Aos 25 minutos, União ficou com um jogador a menos depois da expulsão do volante Fábio Magrão. Dois minutos mais tarde, aos 27, o atacante Ninão fez falta, recebeu o segundo amarelo e foi mais cedo para o chuveiro. A Serpente do Tietê estava apenas com nove jogadores em campo.

No fim, equipe do União comemorou a vitória no vestiário
(foto: Arthur Figueiredo/União Mogi)

Em vantagem numérica, o Amparo partiu para o ataque em busca do gol, mas esbarrava na falta de pontaria de seus atacantes. Para piorar a situação da equipe da casa, quem acabou balançado as redes foi, incrivelmente, o União. Aos 44 minutos, o meia Lucas Dias foi derrubado na área e o árbitro marcou o pênalti. Na cobrança, o lateral-esquerdo Guilherme Sitoo fez o gol que garantiu a vitória do visitantes por 1 a 0.

O resultado deu à Serpente do Tietê a sua segunda vitória consecutiva na competição, a terceira no geral, e agora assume a quinta posição do Grupo 4, com nove pontos. O Amparo caiu para o sexto, com oito pontos. Na próxima rodada, o União Mogi vai até São José dos Campos para enfrentar o Joseense, no sábado, às 10 horas. No mesmo dia, às 15 horas, o Amparo recebe o Paulista no estádio José de Araújo Cintra.

Jabuca deixa escapar a vitória contra o Itararé levando gol nos acréscimos

Por Victor de Andrade, direto do Estádio Espanha

A partida foi pegada e bastante disputadas, com os gols saindo na parte final

O Jabaquara teve tudo para conquistar sua primeira vitória em casa no Campeonato Paulista da Segunda Divisão de 2018. Com o gol de Jeferson, aos 41 minutos do segundo tempo, o Leão da Caneleira se encaminhava para o triunfo, mas um tento de Wagner, do Itararé, já nos acréscimos, colocou 'água no chopp' do torcedor Rubro Amarelo na tarde deste sábado, dia 19, em partida realizada no Estádio Espanha, em Santos.

As duas equipes estavam em situações diferentes na competição. O Jabaquara, com cinco pontos, ocupava a sexta colocação no Grupo 5 e vinha de derrota na última rodada: 3 a 1 para o Primavera, em Indaiatuba. Já o Itararé liderava a chave, junto com o Mauá FC, com 14 pontos, e venceu a partida anterior, contra a AD Guarujá, por 1 a 0, em casa.

A chuva torrencial que caiu em Santos na manhã deste sábado deixou o gramado do Estádio Espanha encharcado e pesado. Isto atrapalhou um pouco o desenvolvimento da partida, que começou com o Jabaquara dominando as ações. Jeferson, em duas chutes, levou perigo ao goleiro João Vitor, do Itararé, nos minutos iniciais.

Jeferson, pela direita, tenta criar jogada para o Jabaquara

Mesmo com o Jabaquara dominando as ações, o Itararé conseguia chegar ao ataque, principalmente em jogadas de Philerson, como aos 23 minutos, quando ele obrigou João Ciriaco a trabalhar. O Leão da Caneleira respondeu em seguida, com o zagueiro Welinton, de cabeça, após cobrança de escanteio de Jeferson, mas João Vitor, o goleiro da Caçula, fez excelente defesa. No último lance do primeiro tempo, Pequeno, em cobrança de falta, quase marcou.

O Itararé voltou melhor na segunda etapa e quase abriu o marcador no primeiro minuto, em chute cruzado de Éder. O Jabuca aos poucos foi voltando a tomar as rédeas da partida com Caíque, que tabelou com Welington Barros, e arriscou chute venenoso. Porém, aos 39', por muito pouco a Caçula não abriu o marcador com Pequeno, mas ele se atrapalhou na finalização mesmo com o goleiro João Ciriaco batido.

Quando os presentes na arquibancada do Estádio Espanha já esperavam o empate sem gols, o jogo resolveu esquentar. Aos 41 minutos, Jeferson recebeu a bola pela esquerda, passou por dois marcadores e de fora área arriscou um chute que o goleiro João Vitor aceitou: 1 a 0 para o Leão da Caneleira. O gol poderia ser o da primeira vitória do Jabaquara em casa na competição, mas não foi o que aconteceu.

Caíque arrisca chute de fora da área

Aos 44 minutos, o Itararé quase empatou com Arisson, que tentou surpreender o goleiro João Ciriaco em chute de fora da área. A bola bateu na trave esquerda, nas costas do goleiro do Leão da Caneleira e, incrivelmente, parou antes da linha. Era um aviso de o gol de empate ainda poderia acontecer e ele surgiu nos acréscimos: Arisson, pela esquerda, foi até a linha de fundo e cruzou na cabeça de Wagner. O centroavante que praticamente não tocou na bola nos 90 minutos, desviou a 'pelota' e balançou as redes: 1 a 1 no placar e fim de jogo no Estádio Espanha.

O Jabaquara, com seis pontos, volta a campo no dia 27, domingo, quando recebe o Elosport, às 10 horas, novamente no Estádio Espanha, em Santos. O Itararé, que fez o 15º ponto na competição, joga no próximo sábado, dia 26, às 15 horas, contra o Primavera, no Estádio Ítalo Mário Limongi, em Indaiatuba.
Proxima  → Inicio

O Curioso do Futebol

O Curioso do Futebol
Site do jornalista Victor de Andrade e colaboradores com curiosidades, histórias e outras informações do mundo do futebol. Entre em contato conosco: victorcuriosofutebol@gmail.com

Facebook

Twitter

YouTube

Aceisp

Total de visualizações