domingo, 20 de janeiro de 2019

Wágner - Um paredão botafoguense

Por Victor de Andrade
Fotos: arquivo Botafogo

Wágner foi goleiro do Botafogo entre 1993 e 2002, sendo titular em boa parte destes anos

O Botafogo teve grandes goleiros defendendo suas metas em sua história. Podemos falar do grande Manga e até de Jefferson, este mais recentemente. Mas as grandes conquistas do Botafogo na década de 90 sempre teve uma figura carimbada entre os arqueiros: Wágner, que está completando 50 anos neste 20 de janeiro de 2019.

Nascido em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, Sebastão Wágner de Souza e Silva começou a carreira no Bonsucesso, onde se profissionalizou em 1989. No ano seguinte foi para o Bangu, começou a se destacar e acabou sendo contratado pelo Botafogo ainda no ano de 1993.

Seu começo no Fogão já foi marcante. Apesar de terceiro goleiro do elenco que começou muito mal o segundo semestre daquele ano (a equipe ficou vários jogos sem vencer no Brasileirão), o Botafogo foi se recuperando e ainda conquistou a Copa Conmebol, o primeiro título internacional de expressão do clube. Era um prenúncio de que Wágner iria ser um grande vencedor com a camisa do Glorioso.

Em 1994, travou uma disputa intensa com Carlão pela titularidade no gol da Estrela Solitária. Foi ganhando sou espaço aos poucos e a cada dia que passava foi se tornando cada vez mais dono da camisa 1 do Fogão. E isto acabou se concretizando e ele se tornaria uma das grandes figuras de uma das maiores conquistas do clube no ano seguinte.

Em 1995, o Botafogo montou um bom time. Nomes como os de Gonçalves, Wilson Gottardo, Leandro Ávila, Sérgio Manoel, Beto, Túlio Maravilha e Donizete Pantera, o goleiro Wágner foi campeão brasileiro pelo clube, com destaque para a grande atuação na final contra o Santos, no Pacaembu, onde ele evitou em várias oportunidades o segundo gol santista, que tiraria o título do Glorioso.

Ele conquistou diversos títulos com a camisa do Fogão

Nos anos seguintes, vieram mais títulos. Em 1996, a equipe conquistou o Troféu Teresa Herrera, usando a camisa do La Coruña  (conheça esta história aqui), derrotando a Juventus na decisão, em 1997 foi campeão carioca em uma final contra o Vasco da Gama, com direito a dança da bundinha e Dimba comendo grama, e em 1998 veio o título do Torneio Rio-São Paulo. Tudo isto com Wágner sendo o camisa 1 do Alvinegro.

No final dos anos 90 e começo dos anos 2000, vieram dois assuntos que começaram a traça o destino de Wágner. O primeiro era que houve um boato de que ele teria um problema de visão, o que atrapalharia em jogos noturnos. A informação foi desmentida, com ele fazendo vários exames para comprovar que sua visão estava boa. A segunda é que mesmo com grandes conquistas, Wágner é o goleiro que mais tomou gols de falta na carreira: 73, ao todo.

Wágner saiu do Botafogo em 2002 e ainda defendeu Santo André, America do Rio e Madureira, onde encerrou a carreira em 2004. Depois, tentou ser treinadorm dirigindo Boavista e São Cristóvão, além de preparador de goleiros, onde chegou a passar pelo Botafogo. Atualmente, o injustiçado goleiro é dono de um bar e restaurante de frutos do mar no mercado de peixes de Niterói.

sábado, 19 de janeiro de 2019

Teve placar em branco com Túlio Maravilha no Taboão e Audax

Fotos: Ronaldo Barreto

Túlio até teve chance para marcar, mas não conseguiu converter em gol

Na abertura do Campeonato Paulista da Série A3 de 2019, na tarde deste sábado, dia 19, o jogo chamou a atenção foi o do Taboão da Serra contra o Osasco Audax, que foi realizado no Estádio Antônio Soares de Oliveira, em Guarulhos. As atenções da partida estavam voltadas para o centroavante Túlio Maravilha, com 49 anos, que defendia o Cão Pastor. Porém, mesmo com o veteraníssimo artilheiro em campo, o placar ficou em branco: 0 a 0.

O Taboão da Serra teve que mandar a partida em Guarulhos por causa de problemas com o estádio Vereador José Feres e também imbróglio entre o clube e a prefeitura, dona do estádio. Mesmo com este percalço, a expectativa era grande por causa da estreia do falastrão goleador, que com 49 anos reluta em encerrar a carreira. Do outro lado, o Audax queria apagar a má impressão dos últimos anos, quando acumulou dois rebaixametos.

Mesmo com o jogo em "campo neutro", quem começou melhor foram os mandantes. O Taboão da Serra teve as chances mais claras na primeira etapa. Túlio chegou a ficar frente a frente com o goleiro Jeferson, mas não aproveitou a oportunidade para marcar. Assim, a partida foi para o intervalo com o placar de 0 a 0.

O centroavante disputando a bola pelo alto

O cenário do duelo não mudou muito na segunda etapa. A partida terminou de maneira sonolenta, sem grande brilho de nenhum dos dois lados. Os dois times ficam com um pontos ao final desta rodada de abertura.

O Audax estreia diante de sua torcida na próxima rodada, contra o Grêmio Osasco. Os times se enfrentam às 16h da próxima quarta-feira, no estádio Prefeito José Liberatti, em Osasco. Já o Taboão da Serra visitará o Velo Clube na segunda rodada, às 20h também da quarta-feira, no estádio Benitão, em Rio Claro.

Brasil estreia no Sul-Americano Sub-20 com um 0 a 0 contra a Colômbia

Com informações do site da CBF
Foto: divulgação CBF

A partida foi truncada, com poucos lances no ataque e terminou com o placar em branco

A Seleção Brasileira Sub-20 estreou no Sul-Americano 2019 com um empate diante da Colômbia. Após folgar na rodada de abertura, o Brasil encarou os colombianos nesta sábado (19). No estádio El Teniente, em Rancágua, no Chile, o placar terminou inalterado. Com o empate sem gols, as duas equipes somam um ponto cada no Grupo A.

A Seleção Brasileira dominou a posse de bola do primeiro tempo. Apesar de controlar as ações da partida, o Brasil encontrou dificuldades para furar o bloqueio defensivo da Colômbia, que aproximou as linhas de marcação e não cedeu espaços. No início da partida, Walce levou melhor pelo alto em duas oportunidades. Na primeira, a bola parou nas mãos do goleiro. Já na segunda tentativa, o cabeceio passou ao lado da trave. No último lance antes do intervalo, a Colômbia quase aproveitou a saída errada do goleiro Phelipe, mas Walce salvou em cima da linha.

No segundo tempo, a Colômbia voltou assustando o gol do Brasil. Após cruzamento da direita, o lateral-direito Emerson travou as finalizações e evitou o gol colombiano. Na cobrança de escanteio, o goleiro Phelipe fez grande defesa após o desvio de cabeça e manteve o zero no placar. A Seleção Brasileira respondeu aos 22 minutos, em trama ofensiva entre Rodrygo e Emerson, que o lateral finalizou com perigo. Nos acréscimos, o Brasil criou a melhor chance e ficou muito perto da vitória, mas o travessão impediu o gol de falta de Igor e o placar permaneceu inalterado.

A Canarinho volta a campo na próxima segunda-feira (21) para enfrentar a Venezuela. O confronto está marcado para as 20h30 (de Brasília), novamente no estádio El Teniente, em Rancágua, no Chile. Para avançar ao hexagonal final do Sul-Americano Sub-20 do Chile, a Seleção Brasileira precisa ficar entre os três primeiros do Grupo A.

O Sul-Americano Sub-20 distribui quatro vagas para o Mundial da categoria, que será disputado na Polônia entre os meses de maio e junho deste ano. Os três primeiros colocados também garantem presença no Pan-Americano, em Lima, entre julho e agosto.

Na estreia no Paulistão, Santos bate Ferroviária com gol de Jean Mota

Com informações do Santos FC
Fotos: Ivan Storti / Santos FC

Jean Mota marcou o único gol da partida

O Santos FC começou sua caminhada no Campeonato Paulista de 2019 com o pé direito. Controlando a partida desde os primeiros minutos, o Peixe contou com um golaço de Jean Mota para vencer a Ferroviária por 1 a 0, na tarde deste sábado (19), na Vila Belmiro, na primeira rodada do estadual.

O Santos FC começou o primeiro jogo da temporada com muita intensidade. Buscando sempre permanecer com o bola, a equipe comandada por Jorge Sampaoli chegou bem aos 11 minutos, quando Carlos Sánchez lançou de longe e Yuri Alberto desviou de cabeça, quase abrindo o placar. Já aos 16, Jean Mota arriscou de longe e a bola passou perto da trave da Ferroviária. Na sequência da etapa inicial, a equipe de Araraquara conseguiu fechar a defesa e segurar o ímpeto santista.

Não contente com o empate, o Peixe seguiu buscando furar o bloqueio rival. Aos 41, Jean Mota aproveita sobra e solta uma bomba da entrada da área. Porém, o goleiro Tadeu salvou a Ferrinha. Na sequência, Felippe Cardoso recebeu de Victor Ferraz dentro da área, tentou duas vezes, mas viu seus chutes serem bloqueados pela defesa. A pressão seguiu forte. Aos 47, Jean Mota cobrou falta com categoria, mas a bola explodiu no travessão, e o duelo foi para o intervalo empatado em 0 a 0.

A segunda etapa seguiu com Alvinegro Praiano buscando o gol. Após roubada de bola aos 10 minutos, Arthur Gomes lançou Felippe Cardoso na esquerda, que achou Carlos Sánchez na entrada da área. O meia bateu colocado, mas mandou pra fora.

Vitor Ferraz tenta fazer jogada pela direita

No lance seguinte, Diego Pituca recebeu após boa troca de passes e arriscou de longe. Porém, Tadeu segurou a bola, salvando a Ferroviária mais uma vez. Aos 26, Carlos Sánchez cobrou falta pela esquerda, ninguém desviou e a redonda passou raspando a trave do arqueiro da equipe de Araraquara.

E de tanto pressionar, o Santos FC conseguiu abrir o placar aos 32 minutos. Após cruzamento de Copete pela esquerda, Felippe Cardoso ajeitou para Jean Mota dentro da área. O meia soltou uma bomba para fazer um golaço e colocar o Peixe em vantagem na Vila Belmiro. Nos minutos finais, a equipe comandada por Jorge Sampaoli apenas administrou o resultado e confirmou sua primeira vitória em 2019.

Com o resultado, o Alvinegro Praiano chegou aos 3 pontos conquistados e assumiu a primeira colocação do grupo A do torneio. Na próxima quinta-feira (24), a equipe comandada por Jorge Sampaoli vai até Sorocaba para encarar o São Bento, às 19h15, no estádio Walter Ribeiro, pela segunda rodada. Já a Ferroviária joga um dia antes, às 17 horas, na Arena Fonte Luminosa, contra a Ponte Preta.

Na abertura da Taça Guanabara, Vasco bate o Madureira

Por Diely Espindola, direto do Estádio Conselheiro Galvão
Foto: divulgação Agência FERJ

O jogo foi equilibrado, mas o Vasco conseguiu vencer por 1 a 0

Começou neste sábado, dia 19, a fase de grupos da Taça Guanabara, o primeiro turno do Campeonato Carioca. E o jogo inaugural da rodada ficou por conta de Madureira e Vasco, que se enfrentaram no Estádio Conselheiro Galvão, casa do Tricolor Suburbano. Apesar do equilíbrio, quem levou a melhor foi o cruzmaltino, que venceu por 1 a 0.

O primeiro tempo começou morno, apesar do Vasco ter o domínio da bola. Aos poucos o Madureira foi encontrando seu espaço na partida, mas sem levar perigo ao gol adversário. O Vasco encontrou algumas vezes o caminho da meta, mas não conseguia acertas as finalizações.

O primeiro grande momento do jogo veio aos 24 minutos. Everton ganha a disputa de bola e cruza na área para forte cabeçada de Claudio Maradona que acerta o travessão e por pouco não abre o placar para o Madureira. 

Apesar do domínio de bola do Vasco, a defesa do Madureira dificultou a vida do clube Cruzmaltino. Aos 42, a equipe teve uma das primeiras chances mais claras de gol com Ribamar, mas o goleiro Jonathan fez grande defesa.

No segundo tempo, quem começa levando perigo é o Madureira. Aos 7 minutos Maradona chega sozinho ao gol, mas o goleiro Fernando Miguel leva a melhor na disputa. Logo em seguida, aos 9, o Vasco revida e novamente Ribamar sobe e cabeceia, mas finaliza por cima do travessão.

Até a parada técnica as equipes mantiveram a bola lá e cá, finalizando com perigo mas sem gols.
Aos 10 minutos Maradona mais uma vez assista o goleiro vascaíno em um cruzamento fechado que por pouco não entra direto. E aos 11 Ribamar toca para Dudu que acerta uma bomba na trave.

O primeiro gol da partida só sairia aos 22 minutos da segunda etapa, após Thiago Galhardo receber e mandar direto para o fundo da rede.Aos 30 o Madureira quase arranca o empate com um chute de Everton no travessão, e no rebote Cláudio Maradona cabeceia mas a defesa do Vasco tira na linha.

Sem maiores lances, a partida apesar de equilibrada terminou em 1 a 0 para o Vasco, que até o momento assume a liderança de seu grupo. O próximo adversário da equipe Cruzmaltina é o Volta Redonda, quarta feira em São Januário. Já o Madureira se prepara para enfrentar a Portuguesa, também na quarta, na Ilha.

Brasil, Uruguai e Argentina serão cabeças de chave no sorteio da Copa América

Com informações da CBF
Foto: Lucas Figueiredo / CBF

Argentina e Brasil, além do Uruguai, serão cabeças de chave no sorteio

A Seleção Brasileira será cabeça de chave no sorteio da Copa América 2019, que será realizado na próxima quinta-feira às 20h30, no Rio de Janeiro. País-sede da competição, Brasil ficará no pote 1, ao lado de Argentina e Uruguai. Anfitrião, o Brasil ficará obrigatoriamente no grupo A.

Além do Brasil na posição A1, o resto da orientação do sorteio foi definido pela última versão do ranking da FIFA. Desta forma, Uruguai e Argentina serão sorteados para as posições B1 ou C1.

Logo após o sorteio dos cabeças de chave, serão definidos os times restantes de cada grupo, com sorteio também de suas respectivas posições dentro deles. Os potes das seleções restantes estão definidos assim:

Pote 2: Colômbia, Chile e Peru
Pote 3: Japão, Paraguai e Venezuela
Pote 4: Bolívia, Catar e Equador

As bolas dos potes 2, 3 e 4 terão as seleções participantes enquanto os potes A, B e C corresponderão às posições nos grupos. Mesmo em potes diferentes, Catar e Japão, como países convidados, não podem ficar no mesmo grupo.

CONMEBOL Copa América Brasil 2019 - A 46ª edição do torneio mais antigo de Seleções do mundo será disputada em cinco cidades-sede (Belo Horizonte, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo) e por 12 Seleções participantes. Em campo, nove títulos da Copa do Mundo da FIFA reunidos e algumas das maiores estrelas do futebol mundial.

Além dos dez países sul-americanos membros da CONMEBOL (Brasil, Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela), Japão e Catar participarão como convidados.

Vavá no Atlético de Madrid

Por Victor de Andrade
Foto: arquivo Atlético de Madrid

Vavá, no Atlético de Madrid, entre Garrincha e Didi, em um amistoso contra o Botafogo

Em 19 de janeiro de 2002, o mundo do futebol dava adeus a um dos maiores centroavantes da história: Edvaldo Izídio Neto, o Vavá. Bicampeão mundial com a Seleção Brasileira nas Copas de 1958 e 1962, o atacante foi ídolo das torcidas de Vasco da Gama e Palmeiras. Mas entre ter defendido estes dois grandes times Brasileiros, ele teve uma passagem marcante pelo Atlético de Madrid.

Nascido em Recife, 12 de novembro de 1934, Vavá foi descoberto com 14 anos por olheiros do América Pernambucano. Após passar, pela base, no Íbis e Sport, ele foi para o Rio de Janeiro, onde defendeu o Vasco, tornou-se um dos maiores atacantes brasileiros e virou jogador de Seleção Brasileira, titular na final da Copa do Mundo de 1958.

Por seu vigor físico, impressionante reflexo e faro de gol, chamou atenção da Europa durante a Copa do Mundo e foi negociado com o Atlético de Madrid, chegando no clube ainda em 1958. É claro que a chegada de um campeão mundial pela Seleção Brasileira chamaria a atenção de qualquer um e foi isto o que aconteceu com Vavá. E ele não decepcionou.

Logo de cara chegou marcando gols e conquistando a torcida. O "Peito de Aço" ia conquistando o seu espaço dentro da equipe. Na sua passagem pelo clube, ganhou duas Copas del Rey consecutivas (1959–1960 e 1960–1961) batendo o Real Madrid em ambas as decisões, e foi vice-artilheiro da Liga dos Campeões de 1958–59.

Podemos dizer que dos jogadores brasileiros que foram campeões do mundo em 1958 e se aventuraram na Europa, Vavá foi um dos que mais tiveram sucesso. Foram 31 gols em 71 partidas pelo Atlético de Madrid. Uma excelente marca! Porém, visando a Copa do Mundo de 1962, Vavá resolveu voltar ao Brasil ao final da temporada 1960/1961 e foi defender o Palmeiras (na época, jogadores que atuavam no exterior não eram convocados).

A mudança deu certo, já que Vavá foi novamente titular no bicampeonato. Depois do Verdão, ele ainda defendeu o América do México, o San Diego Toros dos Estados Unidos e a Portuguesa Carioca, onde encerrou a carreira em 1969. Ainda foi ser treinador na Espanha e no Qatar. Vavá faleceu em 19 de janeiro de 2002, vítima de um infarto agudo no miorcádio.

Semifinais da Copinha 2019 estão definidas


Apenas quatro equipes seguem em busca do título da 50ª edição da Copa São Paulo de Futebol Júnior. São Paulo, Guarani, Corinthians e Vasco da Gama-RJ voltarão a campo na próxima terça-feira, dia 22, para decidir quem estará no Pacaembu no dia 25 de janeiro.

A primeira semifinal será disputada em Araraquara, na Arena Fonte Luminosa, entre São Paulo e Guarani. O jogo será realizado às 19h15. Para chegar à semifinal, o Tricolor Paulista eliminou o Cruzeiro, empatando em 1 a 1 no tempo normal e garantindo a classificação nas penalidades, onde venceu por 6 a 5. Já o Bugre garantiu sua vaga ao bater o Figueirense por 2 a 1.

Às 21h30, na Arena Barueri, o Corinthians tentará levar para a decisão um confronto estadual, enquanto o Vasco da Gama busca encerrar um jejum de finais da Copinha que dura desde 1999. O Timão chegou à semifinal passando pelo Cruzeiro, vencendo por 2 a 1. Já o cruzmaltino eliminou, em um confronto do Rio de Janeiro, o Volta Redonda, em triunfo nas penalidades, por 3 a 2, após empate em 1 a 1 nos 90 minutos.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

Fase de grupos do Cariocão 2019 começa neste fim de semana

Por Diely Espíndola


Começa neste sábado, 19, a fase de grupos da Taça Guanabara, o primeiro turno do Campeonato Carioca. Após cinco rodadas da fase seletiva do campeonato, que definiria os dois times que subiriam para a série A da competição. Americano e Resende foram os clubes de melhor campanha na primeira fase do Campeonato Carioca, e se juntam aos outros dez clubes já classificados e divididos em dois grupos. 

No grupo B estão Americano, Fluminense, Madureira, Portuguesa, Vasco e Volta Redonda. O Americano vem de uma excelente campanha feita em 2018, tendo sido inclusive o campeão da Copa Rio. Teve seu principal jogador e artilheiro Cláudio Maradona vendido ao Madureira, o que promete apimentar a briga pela classificação no grupo B. O Tricolor suburbano faz o primeiro jogo da rodada, contra o Vasco, em Conselheiro Galvão. 

Já o grupo C, é composto por Bangu, Boavista, Botafogo, Cabofriense, Flamengo e Resende. O Resende, aliás, se classificou para a fase de grupos com a melhor campanha da história das seletivas, e chega à elite do futebol carioca embalado e disposto a dar trabalho aos seus adversários. 

Outro clube que tem investido alto em seu elenco para a temporada é o Flamengo. Rodrigo Caio, Arrascaeta e Gabigol são alguns dos reforços que chegam ao clube e fazem a torcida rubro-negra esperar por uma campanha vitoriosa. 

Ao fim da fase de grupos, classificam-se para as semifinais da Taça Guanabara os dois primeiros colocados de cada grupo. Seguindo os moldes do campeonato do ano passado, a final geral não mais será disputada pelos vencedores de cada turno, mas sim pelos vencedores das semifinais determinadas pelos quatro times de melhor campanha na pontuação geral. Confira aqui o regulamento completo da competição.

Euller relembra o Vasco campeão da Copa João Havelange

Com informações do site oficial do Vasco da Gama
Foto: Arquivo Vasco da Gama

Euller era um dos atacantes do Vasco no ano 2000

O dia 18 de janeiro é muito especial para os vascaínos. Há 18 anos o Gigante da Colina conquistava a Copa João Havelange de 2000 ao vencer o São Caetano por 3 a 1, diante de 60 mil pessoas no Maracanã, com gols de Juninho Pernambucano, Jorginho Paulista e Romário. Dentro de campo, a equipe de São Januário contava com um esquadrão de respeito liderado pelo atacante, e capitão, Romário. No meio de campo, Juninho Pernambucano e Juninho Paulista, pratas da casa como Helton, Felipe e Pedrinho, além de nomes importantes como Mauro Galvão, Odvan, Jorginho e Paulo Miranda. O Site Oficial do Vasco conversou com um dos grandes destaques daquela conquista. Euller, o Filho do Vento e grande parceiro do Baixinho durante anos vitoriosos do Cruzmaltino.

"Foi um momento especial. Final de Campeonato Brasileiro e tínhamos tudo para ganhar o título. Mesmo diante das turbulências, já que estávamos de férias e tivemos que voltar. Não fizemos uma preparação adequada, mas cumprimos o objetivo. Nos preparamos e foi um título muito especial. Ser campeão brasileiro com a camisa do Vasco, com aquele time que a gente tinha. Era pra marcar a história e de fato aconteceu. É motivo de alegria, orgulho, satisfação e sempre será lembrado", relembra Euller. 

Euller chegou ao Vasco naquele ano. Mesmo diante de outras propostas, a possibilidade de fazer dupla com o Baixinho fez com que o Filho do Vento escolhesse por São Januário. E o atacante acertou em cheio. A dupla teve um entendimento quase que perfeito e junto com os Juninhos Pernambucano e Paulista chegou a fazer o quarteto de ataque da Seleção Brasileira em alguns jogos das Eliminatórias para a Copa de 2002. O atacante, que brilhou na Colina, relembrou essas histórias e falou sobre o sonho de atuar ao lado de Romário.

"Para mim foi uma satisfação muito grande fazer dupla com o Romário. Era um sonho e não pensei duas vezes quando tive a proposta para jogar no Vasco. Eu tinha comigo que minha característica daria certo com a do Romário. Quando cheguei ao Vasco não tive nenhuma prepotência em querer ser protagonista do time. Queria ser coadjuvante de um ataque que fazendo minhas jogadas, eu teria uma pessoa dentro da área para poder finalizar. Era o meu intuito. Um sonho realizado não só no Vasco, como na Seleção Brasileira, com gols dele, gol meu, do Juninho Paulista. Foi um prazer atuar ao lado do Romário, tê-lo como parceiro. Não teve um atacante que joguei, que tinha a presença de área do Baixinho. Tive outras propostas, mas a decisão de ir ao Vasco para jogar ao lado dele foi mais do que certa"

Pelo Vasco, Euller conquistou o Campeonato Brasileiro e a Copa Mercosul. Com a camisa cruzmaltina, o ex-atacante fez 83 jogos e marcou 28 gols. Acima de tudo, o Filho do Vento afirma que o maior título que ele conquistou foi o carinho da torcida e dos funcionários do clube, sem esconder o orgulho por ter vestido uma das camisa mais pesadas do mundo.

"Era um sonho jogar no Vasco da Gama. Uma camisa enorme. Clube de altíssimo nível, é um charme muito grande. São Januário... é importante para a carreira de um jogador passar por um grande clube e o Vasco é esse grande clube. É um clube que abre portas para a Seleção Brasileira. Tudo que um jogador deseja, que é jogar num grande clube, o Vasco oferece. Graças a Deus tive esse privilégio. Conquistei títulos, amigos, ajudei muitos lá dentro. Toda vez que faço uma visita ao clube, tenho a alegria de ser bem tratado por todos. Espero que esse amor, dos dois lados, continuem para sempre", finalizou.
Proxima  → Inicio

O Curioso do Futebol

O Curioso do Futebol
Site do jornalista Victor de Andrade e colaboradores com curiosidades, histórias e outras informações do mundo do futebol. Entre em contato conosco: victorcuriosofutebol@gmail.com

Facebook

Instagram

Twitter

YouTube

Aceisp

Total de visualizações