sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

Evaristo no Madureira

Por Victor de Andrade


Um dos maiores jogadores da história do futebol brasileiro, sendo um dos primeiros a fazer sucesso no exterior, e técnico com várias conquistas, Evaristo de Macedo está completando 86 anos neste 22 de fevereiro de 2019. Ele, que tem marcas incríveis com as camisas de Flamengo, Barcelona e Real Madrid, começou a carreira como jogador no Madureira.

Evaristo nasceu no Rio de Janeiro, no bairro de Engenho Novo, onde deu os primeiros chutes e começou a jogar com seus amigos. Como se mostrava acima dos demais, chamou a atenção e foi levado ao Madureira em 1950, com apenas 17 anos. Seu talento e faro de gol logo o levaram a jogar pelo time principal do Tricolor Suburbano.

Ainda atuando como amador, acabou chamando a atenção do técnico Nilton Cardoso (irmão de Gentil Cardoso) e foi convocado para defender o Brasil nas Olimpíadas de Helsinque em 1952. O time brasileiro era formado apenas por atletas não profissionais, tal como mandava o regulamento da competição econtava com jogadores que, mais tarde, chegariam à seleção brasileira como Vavá, Humberto, Zózimo e Paulinho.

Com os gols que já fazia pelo Madureira e a convocação para os Jogos Olímpicos, Evaristo de Macedo chamou a atenção de vários clubes e acabou indo para o Flamengo em 1953. Pelo Tricolor Suburbano, o atacante fez 35 jogos e 18 gols, uma marca interessante para um jogados que não havia completado 20 anos.

Depois, Evaristo só cresceu em sua carreira. Foi ídolo no Flamengo, é até hoje o detentor do recorde de mais gols em um mesmo jogo pela Seleção Brasileira (marcou cinco gols em uma partida contra a Colômbia, em 1957, que terminou 9 a 0 para o time canarinho), ficou de fora da Copa do Mundo de 1958 porque preferiu ir para o Barcelona, onde se transformou em um dos maiores da história do clube, repetiu o sucesso no Real Madrid e voltou para o Rubro Negro, onde encerrou a carreira. 

Depois iniciou um trabalho vitorioso como treinador, com passagens por vários grandes clubes do brasil, atuou no exterior e também na Seleção Brasileira. Mas toda esta bela história no futebol de Evaristo começou no Madureira.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

VAR e Supercopa podem ser as novidades do Brasileirão 2019

Com informações do site oficial da CBF
Foto: Fernando Torres / CBF

O troféu do Brasileirão

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) apresentará, nesta sexta-feira (22), ao Conselho Técnico da Série A do Campeonato Brasileiro uma série de propostas para garantir avanços na organização e nos níveis técnico e disciplinar da competição. “Queremos elevar o patamar do Campeonato Brasileiro”, diz Rogério Caboclo, diretor executivo de Gestão da CBF. “Para isso, apresentaremos aos clubes uma pauta integrada, que passa pela arbitragem, pelos aspectos técnicos das partidas e pelo público nos estádios”.

O primeiro ponto da pauta é a adoção do árbitro de vídeo (VAR) nas 380 partidas do Brasileirão. A CBF assumirá, integralmente, os custos com tecnologia e infraestrutura, cabendo aos clubes apenas o pagamento das despesas com o capital humano, como ocorre, tradicionalmente, com as equipes de arbitragem.

A CBF vai fazer este ano uma campanha educativa em todas as competições nacionais pelo respeito à arbitragem e às regras do jogo. O objetivo é garantir mais tempo de bola rolando, menos punições disciplinares e um melhor produto para o público.

Outra proposta importante será a limitação nas trocas de treinadores. A CBF proporá aos clubes que possa ser feita apenas uma mudança de técnico durante a disputa da Série A. “Essa medida vai ajudar os clubes a racionalizarem sua gestão e a médio prazo permitirá a redução de custos”, afirma Rogério Caboclo.

A CBF proporá também a limitação do número de atletas inscritos a 40. “O número foi obtido depois de um levantamento estatístico sobre quantos jogadores foram utilizados em média pelas equipes, nas últimas edições do campeonato”, explica o diretor de Competições da entidade, Manoel Flores.

O campeão da Série A deste ano já abrirá 2020 disputando um título. No ano que vem, a temporada do futebol brasileiro começará com a disputa da Supercopa do Brasil, entre o vencedor do Brasileirão e o campeão da Copa do Brasil. Será uma disputa em jogo único, em local, previamente, definido. Isto já aconteceu em 1991, quando o Corinthians, campeão brasileiro de 1990, venceu o Flamengo, que havia conquistado a Copa do Brasil.

Será apresentado aos clubes um projeto para aumentar o público no campeonato. São propostas para reduzir a capacidade ociosa dos estádios e ampliar a média de presença, que já foi recorde na edição de 2018.

Jefferson - O Paredão de 195 jogos pelo Nova Iguaçu

Com informações da Agência FERJ
Foto: Bernardo Gleizer/NIFC

Jefferson já completou 195 jogos pelo Nova Iguaçu

Já são 195 jogos com a camisa do Nova Iguaçu e quase uma década de serviços prestados ao clube. A história do goleiro Jefferson se confunde com a do Orgulho da Baixada. E, certamente, mais um capítulo desta saga foi escrito neste domingo. Com defesas espetaculares, Jefferson foi o nome do jogo na vitória da equipe laranja sobre o America por 1 a 0, em Moça Bonita, no domingo (17/02), que garantiu o clube na Série A do Carioca.

A permanência na Primeira Divisão foi concretizada nesta segunda-feira (18), com a vitória do Macaé sobre o Goytacaz. Mesmo com uma rodada ainda a ser disputada no Grupo X, tanto o Macaé quanto o Nova Iguaçu garantiram as duas primeiras posições. Porém, a vitória de domingo já era o preúncio de que a salvação estava por vir. E os três importantíssimos pontos vieram com muito sofrimento e uma atuação antológica do camisa 1.

Jefferson fez defesas impressionantes. A primeira delas ainda no começo do primeiro tempo, após uma saída de bola errada da equipe laranja. O Nova Iguaçu jogou parte do primeiro tempo e todo o segundo tempo com um a menos, já que Wallace foi expulso. Na etapa final, foram 50 minutos de pressão do America. E em todas as vezes em que foi exigido, Jefferson foi preciso. O lance mais incrível foram duas defesas em sequência, já aos 45 minutos.

- Ali foi coração, todos esses anos de dedicação ao clube somados à entrega, ao momento que a gente vivia. Tinha sofrido um pisão na coxa, vinha de uma semana desgastante de trabalho, com emoções à flor da pele, mas ali foi entrega total e fomos abençoados. A equipe foi valente, com um a menos, contra uma equipe muito qualificada que é o America. Esse jogo está no top 5 dessa minha trajtetoria toda, porque foi um momento crucial para nós – comemorou Jefferson.

Um dos símbolos do Nova Iguaçu ao lado do volante e capitão Paulo Henrique, que fez o gol da vitória em Bangu, cobrando pênalti, Jefferson fez questão de frisar que o Orgulho da Baixada deveria estar disputando a fase principal do Campeonato Carioca. Porém, como não conseguiu passar pela etapa preliminar, acabou tendo de disputar o Grupo X, o quadrangular que define o rebaixamento. E o Nova Iguaçu conseguiu escapar.

- Temos um carinho muito grande pelo Nova Iguaçu, sofremos muito nos momentos ruins e comemoramos muito nos bons. Ali no final do jogo foi um alívio muito grande, e depois com essa vitória do Macaé a permanência na Série A se concretizou. Ficamos aliviados, mas havíamos planejado uma situação melhor. As coisas não aconteceram do jeito que imaginávamos, mas o mais importante é que o Nova Iguaçu continuou no lugar que começou, pelo menos – disse.

Apenas para cumprir tabela, Nova Iguaçu e Macaé se despedem do Campeonato Carioca nesta sexta-feira (22), no Estádio Antônio Ferreira de Medeiros, em Cardoso Moreira, às 16h30. As duas equipes lideram o Grupo X, com 9 pontos, mas o Orgulho da Baixada aparece à frente por ter mais vitórias.

Duelos da primeira fase da Copa do Brasil Sub-20 estão definidos

Com informações do site oficial da CBF


Os confrontos da Copa do Brasil Sub-20 de 2019 já estão definidos. A Diretoria de Competições da CBF divulgou, nesta segunda-feira (18), os documentos técnicos do torneio: Plano Geral de Ação, Regulamento Específico e o Diagrama dos Confrontos. O sorteio do mando de campo será na próxima quinta-feira. A competição tem previsão de início para o dia 13 de março, com bola rolando para os confrontos da primeira fase. Nesta etapa, as partidas serão disputadas em jogo único. Ao todo, 32 times participam do torneio. 

Diferentemente de 2018, os jogos da primeira fase serão disputados em partida única. Em caso de empate, a decisão do classificado será nos pênaltis. Os confrontos com ida e volta só acontecem a partir da fase seguinte: as oitavas de final. Da mesma forma que na etapa inicial, em caso de igualdade no saldo de gols, as penalidades vão definir quem avança na Copa do Brasil Sub-20. Portanto, assim como nos profissionais, o gol qualificado não é critério de desempate. O mando de campo dos confrontos serão definidos sempre por sorteio.

Em 2019, os 32 clubes participantes da Copa do Brasil Sub-20 foram definidos de acordo com os seguintes critérios:

1 - Ter sido campeão estadual na categoria Sub-20 em 2018;

2 - Ter sido vice-campeão estadual na categoria Sub-20 em 2018 (critério restrito às 5 (cinco) federações melhores colocadas no Ranking Nacional de Federações).

*No caso de não realização da competição na categoria estabelecida, a vaga ficou com a equipe Campeã (ou vice-campeã) Estadual Sub-19. Não havendo nenhuma das duas competições, a vaga foi destinada à equipe Sub-20 do campeão (ou vice-campeão) estadual profissional.

Confira abaixo a lista dos participantes e os confrontos da primeira fase.

– Grupo 1: Galvez-AC x Palmeiras-SP
– Grupo 2: Coritiba-PR x Sete de Setembro-MS
– Grupo 3: Castanhal-PA x CSA-AL
– Grupo 4: Capital-TO x Grêmio-RS
– Grupo 5: Vasco da Gama-RJ x CSP-PB
– Grupo 6: São Raimundo-RR x Tubarão-SC
– Grupo 7: Marília-MA x América-MG
– Grupo 8: Fast Clube-AM x Bahia-BA
– Grupo 9: Flamengo-RJ x Ceilândia-DF
– Grupo 10: Real Ariquemes-RO x Horizonte-CE
– Grupo 11: América-RN x Porto-PE
– Grupo 12: Trem-AP x Internacional-RS
– Grupo 13: Corinthians-SP x River-PI
– Grupo 14: Chapecoense-SC x Serra-ES
– Grupo 15: Confiança-SE x Cruzeiro-MG
– Grupo 16: Cuiabá-MT x Goiás-GO

*times do lado esquerdo fazem o confronto dentro de casa

Evair no Atlético Mineiro em 1997

Por Victor de Andrade
Foto: Superesportes

Evair atuando em um clássico contra o Cruzeiro: apenas seis meses no Galo

Um dos centroavantes mais técnicos que o futebol brasileiro já teve, brilhando com as camisas de Palmeiras e Guarani, além de boas passagens por Vasco da Gama e Portuguesa, Evair tinha uma inteligência rara para um camisa 9 e sempre atraiu a atenção dos fãs de futebol. Porém, não foi em todos os lugares onde ele teve sucesso e um desses exemplos foi no Atlético Mineiro, em 1997.

Nascido na cidade mineira de Ouro Fino, em 21 de fevereiro de 1965, Evair nunca tinha atuado em seu estado natal até então. Depois de aparecer no Guarani, onde chegou pela primeira vez à Seleção Brasileira, ele passou pelo Atalanta, na Itália, teve um momento fenomenal no Palmeiras e, após isto, jogou dois anos pelo Yokohama Flügels, no Japão. Ao fim da temporada de 1996, resolveu voltar ao Brasil e escolheu o Galo.

Evair era uma espécie de "cereja do bolo" de um time que já tinha nomes como Taffarel, Euller, Doriva, entre outros. A diretoria do Atlético Mineiro estava crente que aquele era o ano da equipe e que iria desbancar o rival Cruzeiro. Porém, tudo o que foi planejado foi por "água abaixo", muito por causa da bagunça que era o clube naquela época.

Logo de cara, Evair demorou para estrear, por causa de documentação. “A transferência foi difícil porque estava voltando do Japão. Quando cheguei, houve demora para a liberação do meu passe e, em razão disso, fiquei muito tempo parado. Com essa lentidão, gerou-se uma antipatia muito grande do torcedor e da imprensa comigo, porque eu estava impedido legalmente de jogar, mas fisicamente já estava pronto”, disse o jogador, em entrevista ao Superesportes.

Depois de acertarem toda a documentação, houve outro problema. Jogadores e funcionários do clube estava com salários atrasados, menos o próprio Evair, que era pago por uma empresa parceira. Isto incomodou o próprio atleta. “Quando fomos jogar contra o Corinthians, em São Paulo, pela Copa do Brasil, a imprensa paulista me questionou como eu me sentia com essa situação. Disse que estava constrangido porque eu era o único que recebia”, explicou na mesma entrevista. “Na época, os funcionários estavam há cinco meses sem receber. Para ajudá-los, dávamos as camisas depois dos jogos a eles para vendê-las e comprar alimentos com o dinheiro que arrecadavam”, revela.

Foram 14 jogos e sete gols pelo Atlético Mineiro

Entre demora para estrear, salários atrasados para outros atletas e privilégios para o centroavante, Evair não caiu no gosto do torcedor. Para complicar a situação, os resultados dentro de campo do Galo no primeiro semestre de 1997 foram aquém do esperado. O time caiu nas oitavas de final da Copa do Brasil, para o Corinthians, e nas quartas do mineiro, para o Villa Nova. E o pior: no mesmo período, o Cruzeiro conquistou o Estadual e a Copa Libertadores.

Ao fim do primeiro semestre, o Atlético Mineiro resolveu fazer algumas reformulações em seu elenco e um dos primeiros a ser dispensado foi Evair, após 14 jogos e sete gols pelo clube. Porém, o centroavante deu a volta por cima já no segundo semestre: foi contratado pelo Vasco da Gama, reviveu a ótima dupla de ataque com Edmundo, que foi um sucesso no Palmeiras, e os dois tiveram sucesso novamente: conquistaram o Campeonato Brasileiro.

Líder do Grupo D do Paulistão, técnico define meta para o Oeste: classificação

Com informações do site oficial da FPF
Foto: Aldo Carneiro Costa / GazetaPress

Renan Freitas, que comanda o Oeste, é o treinador mais novo do Paulistão

Recém-promovido para a elite paulista após duas temporadas no Paulistão A2, o Oeste lidera o Grupo D, com 12 pontos. Até o momento, o rubro-negro foi derrotado em apenas uma oportunidade e o técnico Renan Freitas elogia o desempenho de seus comandados e mira a classificação para às quartas de final do Paulistão.

Renan Freitas assumiu a equipe de Barueri nesta temporada. Apesar disso, o treinador conhece muito bem o clube, já que faz parte da comissão fixa do clube desde 2007. O profissional revelou o segredo para o bom desempenho na competição. “É o trabalho sempre firme. Contamos um grupo de atletas muito bom, que se dedica muito e que está sempre focado. Para quem quer crescer profissionalmente, o segredo é esse: juntar a fome com a vontade de comer”, revelou Freitas.

Após sete rodadas, o Oeste soma apenas uma derrota, para o Palmeiras na quarta rodada. O comandante fez uma análise do time de Barueri até o momento. “Faço um balanço muito positivo. Foram feitas algumas mudanças e quem entrou foi muito bem, apresentando a mesma qualidade de quem saiu, então o time não perdeu rendimento, pelo contrário, muitas vezes até subiu de produção e isso é muito gratificante. Temos um grupo muito qualificado e costumamos dizer que quanto mais disputa sadia por posição, melhor fica”, analisou o técnico.

Com 12 pontos, o Oeste lidera o Grupo C, a frente de Ituano (10) e São Paulo (9). Com mais cinco jogos em disputa, Freitas falou sobre o planejamento rubro-negro para a reta final de Paulistão. “Sempre trabalhamos jogo a jogo e com o decorrer da competição é que vai se desenhando alguma coisa. Hoje, a nossa meta é a classificação para a segunda fase, então seremos um time competitivo, aguerrido, com marcação muito forte, mas nunca abrindo mão de jogar e de impor o ritmo de jogo”, enfatizou.

Pela oitava rodada do Paulistão, o Oeste viaja até Araraquara para enfrentar a Ferroviária, na segunda-feira (25), às 17h30, na Arena Fonte Luminosa. Antes, os rubro-negros encaram o Criciúma-SC, nesta quinta-feira (21), pela Copa do Brasil.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

Marquinhos Pedroso projeta seu segundo ano na MLS

Foto: divulgação FC Dallas

Marquinhos Pedroso participa da pré-temporada no FC Dallas, que já dura 50 dias

Enquanto não começa oficialmente a temporada nos Estados Unidos, os clubes seguem em ritmo intenso de preparação. O FC Dallas, do lateral-esquerdo Marquinhos Pedroso, aproveita o período para disputar a Mobile Mini Sun Cup, torneio de pré-temporada.

Em seu segundo ano no clube, o brasileiro valoriza o período de treinamento. “A pré-temporada está sendo ótima. Ano passado vim direto da Europa e não tive tempo suficiente para me preparar bem. Até por isso acabei sentindo um pouco do ritmo no fim de 2018. Agora, fazendo o trabalho desde o início com o grupo, vai ser muito positivo. Esse período de preparação é extremamente importante e, diferente do Brasil, aqui temos um ótimo tempo de treinamento até o início do campeonato. Serão praticamente 50 dias de pré-temporada, dá para fazer tudo com calma e sem pular etapas”, destacou o jogador, que soma 15 jogos pela equipe americana.

A Major League Soccer (MLS) começa no próximo mês e a estreia do Dallas está marcada para o dia 02, em casa, contra o New England. Marquinhos Pedroso revela sua expectativa para esta nova temporada. “Estou feliz por continuar aqui e a expectativa para 2019 é a melhor possível. No último ano fomos bem, lideramos boa parte do campeonato, mas infelizmente no final derrapamos em alguns resultados e ficamos de fora. Mais uma vez o nosso foco é o título. Vejo nossa equipe com grande potencial, conseguimos manter uma boa base da última temporada, perdemos poucos jogadores e isso é muito importante. Acredito que nosso grupo esteja melhor preparado para esse ano, até pela experiência que tivemos em 2018”, finalizou.

Ailton Lira - A precisão nas cobranças de falta

Com informações do site oficial do Santos FC
Foto: arquivo Santos FC

Ailton Lira é até hoje considerado um dos melhores cobradores de falta da história no Brasil

Em 19 de fevereiro de 1951, uma segunda-feira, nascia na interiorana Araras, em São Paulo, Aílton Lira da Silva, um meia armador que vestiu e honrou a camisa 10 do Santos Futebol Clube, principalmente quando fez parte do time que ficou conhecido como “Meninos da Vila”, campeão paulista de 1978.

Contratado em 1976, quando atuava pela Caldense, de Poços de Caldas, Lira veio para o Santos de contrapeso, pois o jogador que o Alvinegro Praiano queria contratar era o zagueiro Neto, da mesma Caldense. No final das contas, Neto e Ailton Lira vieram e se tornaram titulares, mas a categoria de Lira sobressaiu.

Sua estreia no Santos ocorreu em 15 de agosto de 1976, na vitória por 2 a 1 sobre XV de Novembro de Jaú, no estádio Zezinho Magalhães, em partida amistosa comemorativa do aniversário da cidade de Jaú.

Naquele domingo Toinzinho e Tuca marcaram para o Santos, que foi escalado pelo técnico Zé Duarte com Wilson Quiqueto, Tuca, Vicente, Bianchi e Fernando; Carlos Roberto e Ailton Lira; Manuel Maria (Claudinho), Tata (Babá), Toinzinho e Edu.

Exímio cobrador de faltas e pênaltis, além de lançador admirável, Ailton Lira faz parte de uma classe de meias que não se vê mais no futebol. No Santos de 1976 a 1979, aqui jogou 149 partidas e marcou 39 gols. Foi negociado com o São Paulo logo depois.

Ailton Lira acabou atuando apenas por uma temporada no clube da capital paulista, onde foi importante na conquista do estadual daquele ano. Atuou ainda pelo Al Nasser/ARS, Guarani, União São João, Comercial, Portuguesa Santista, Itumbiara-GO e Guará-DF. Hoje vive em Araras e trabalha com jovens em escolinhas de futebol da cidade.

O 'estrategista' Tim dirigindo a Seleção Peruana

Por Lucas Paes

O brasileiro Tim dirigiu a Seleção Peruana na Copa do Mundo de 1982

Elba de Pádua Lima, mais conhecido como Tim, foi um dos maiores craques do início do futebol profissional no Brasil. Dono de técnica incontestável, deslanchou na Briosa e virou quase uma divindade no Fluminense. Passou também pela Seleção Brasileira e muita gente dizia que o destino do Brasil na Copa de 1938 poderia ter sido melhor caso o treinador não barrasse o habilidoso meia. Treinador, foi por sinal, outra carreira que o meia, que também era apaixonado por cozinhar, perseguiu. Acabou, nesta carreira, tendo maior sucesso fora do país. Chegou a ganhar o título argentino invicto com o San Lorenzo, mas sua última aventura na casamata foi marcante, quando levou o Peru à Copa do Mundo de 1982. 

Tim já era treinador a longo tempo. Malandro, simpático e entendedor da linguagem boleira, ele ganhou a simpatia da imensa maioria dos jogadores com quem trabalhou. Malandro e boleiro, sabia a linguagem do futebol como poucos. Na Seleção Peruana, viria para disputar uma eliminatória que tinha um formato mais simples que o atual, onde haviam três grupos de três times e o primeiro colocado de cada chave ia à Copa do Mundo. 

Chegou ao Peru em crise, tendo que buscar uma classificação para a Copa do Mundo num grupo que tinha Colômbia e Uruguai. A grande partida dos peruanos sob seu comando talvez tenha sido a vitória por 2 a 1 diante do Uruguai em pleno Estádio Centenário, com gols de La Rosa e Uribe. O resultado praticamente garantiu a vaga peruana, que ficou certa com um empate em casa contra a Celeste Olimpica. O razoável time peruano chegava outra vez à Copa do Mundo. 

O grupo de veteranos da Blanquirroja caiu no grupo A, que tinha Polônia, Itália e Camarões. A estreia do Peru foi diante dos Leões Indomáveis. Mesmo com um time que contava com Cubillas e Uribe, os Incas acabaram não conseguindo tirar o zero do placar. Era o jogo menos complicado na teoria. A rodada seguinte seria em Balaídos, na cidade de Vigo, diante da Itália, de Paolo Rossi e cia. 

E as coisas começaram mal para os peruanos, que viram Conti abrir o placar logo aos 18 minutos de partida. Só que a Azzurra da primeira fase estava longe de ser o timaço que tirou o Brasil daquele mundial. A Itália caiu de produção, viu o time sul-americano gostar do jogo e finalmente, aos 38’, Diaz deixou tudo igual. O Peru, de Tim, fazia o que o Brasil não conseguiria naquela terrível tarde em Sarriá: empatar com a Itália. 

Na última rodada, porém, os Incas tiveram um terrível dia em Riazor. Diante de um fortíssimo time polonês, que tinha entre outros nomes o craque Lato, os peruanos acabaram dilacerados com uma goleada por 5 a 1. O gol sul-americano foi de La Rosa, já no finalzinho do jogo. Com o resultado e o empate camaronês com a Azzurra, o Peru terminou na lanterna do grupo. A equipe ficou no vigésimo lugar geral na Copa do Mundo. Apesar de tudo, Tim acabou recebendo respeito dos peruanos pela classificação. Dois anos depois, Tim deixaria o plano dos mortais para fazer parte do plano das lendas. Amante do futebol, esteve nele até seus últimos dias.

De dispensável, Jean Mota vive fase de destaque no Paulistão 2019

Por Lula Terras

Jean Mota vem tendo um ótimo início de temporada (foto: Ivan Storti / Santos FC)

A campanha impecável do Santos, neste início de temporada, vem encantando os amantes do bom futebol jogado, independente da equipe que torce. A equipe santista lidera sua chave, com 18 pontos somados dos 21 possíveis disputados, pelo Campeonato Paulista da Série A1. A única derrota, e a mais surpreendente em toda a competição, aconteceu na quarta Rodada, para o Ituano, por 5 a 1, em partida realizada em Itu. 

Para a surpresa de muitos, o grande destaque da equipe, e do próprio Campeonato, é o antes dispensável Jean Mota, que vem fazendo grande papel na posição de um falso centroavante, onde tem rendido muitos gols para o atleta. Nas sete primeiras rodadas da competição, Jean Mota já anotou sete gols, que o coloca como artilheiro isolado do torneio, com a média de um gol por partida. 

Hoje, Jean Mota é o xodó do torcedor santista que, mesmo na brincadeira, o compara ao craque argentino, Lionel Messi, o chamando às vezes de Lionel Mota ou Jean Messi. Entrevistado ao final do jogo contra o Guarani, no Pacaembu, sobre as comparações, o atleta manteve a humildade e agradeceu aos torcedores, mas diz preferir ser chamado mesmo de Jean Mota. O jogo foi 3 a 0 para o Santos, e mais uma vez o destaque foi Jean Mota, que fez dois gols e o placar foi completado por Rodrygo, que concluiu de cabeça, uma grande jogada individual de Derlis Gonzalez. 

Revelado pela Portuguesa de Desportos, Jean Mota foi contratado junto ao Fortaleza, em 2016, e estreou pelo Peixe, na vitória contra o São Paulo, por 3 a 0, substituindo Lucas Lima na armação da equipe. Neste período em que integra o elenco santista, Jean Mota tem atuado tanto no meio de campo, como na lateral esquerda, alternando boas e más atuações. Em 2018, não fez uma boa temporada, tanto que em 42 partidas disputadas, fez apenas 2 gols. 

No final da temporada, período em que se iniciam as negociações para reforçar o elenco, o nome de Jean Mota esteve em algumas listas de dispensa e até para a utilização de moeda de troca, para a vinda de reforços. Com a chegada de Jorge Sampaoli no início deste ano, a situação mudou para Jean Mota, que credita esta boa fase ao treinador argentino, que encontrou o melhor posicionamento para ele dentro de campo. O próprio treinador faz questão de destacar isso, ao dizer que vê no atleta todas as qualidades no trato com a bola e de se posicionar no campo, que o coloca como forte candidato a ser o nome do Campeonato Paulista deste ano.
Proxima  → Inicio

O Curioso do Futebol

O Curioso do Futebol
Site do jornalista Victor de Andrade e colaboradores com curiosidades, histórias e outras informações do mundo do futebol. Entre em contato conosco: victorcuriosofutebol@gmail.com

Facebook

Instagram

Twitter

YouTube

Aceisp

Total de visualizações