1977 - Boca Juniors e sua primeira conquista de Libertadores

Foto: arquivo Conmebol

O time do Boca Juniors que conquistou a Libertadores de 1977

Neste 3 de abril de 2020, o Boca Juniors, poderoso e temido time argentino, está completando 115 anos de fundação. Os Xeneizes têm uma bela história na Copa Libertadores, tendo conquistado seis delas. A primeira foi em 1977, época em que o grande campeão da competição, o Independiente, já tinha levado seis. Atualmente, o rival argentino tem sete, apenas uma mais que o Boca.

A história do Boca Juniors campeão da Libertadores de 1977 começa no início dano anterior, quando, após cinco anos sem poder gritar campeão, o clube decidiu contratar Juan Carlos Lorenzo como treinador, um homem com muita experiência e com vários sucessos em seu currículo. As alegrias foram imediatas, porque ele ajudou a equipe a conquistar os dois torneios locais daquele ano e a qualificação para a principal competição do continente, o antigo desejo da instituição.


E o Boca teve uma difícil missão logo de cara. Os grupos da Libertadores, até 1999, eram formados por quatro equipes, sendo dois do mesmo país, e o sorteio colocou os uruguaios no caminho dos argentinos. Então, a chave 1 tinha os Xeneizes, Peñarol, Defensor Sporting (ambos charruas) e o sempre rival River Plate.

Para piorar a situação, apenas um time de cada um dos cinco grupos se classificava para a fase semifinal, onde se juntariam com o campeão do ano anterior, o Cruzeiro. Porém, o Boca foi muito bem na etapa de abertura da competição e superou os adversários com solidez e sem altos e baixos, obtendo 10 dos 12 pontos em jogo e sem receber gols.

Esse desempenho foi estendido na etapa semifinal, onde o Boca encarou Deportivo Cali, da Colômbia, e Libertad, do Paraguai. O Boca confirmou seu passaporte para a final com a vitória decisiva obtida em Assunção, por 1 a 0, com um gol de Mario Zanabria.


O time era muito forte! De uma defesa difícil de ser vazada e que o torcedor guarda na memória (Gatti - Pernía - Sa - Mouzo - Tarantini), o quadro tornou-se difícil de ser batido. O meio-campo era equilibrado em funções e desempenho: o capitão Suñé, número 5 clássico, experiente e talentoso, Mario Zanbaria no papel de criador e Jorge "chinês" Benítez, com grande dinâmica. Na frente, o Boca tinha a arma mortal de um artilheiro implacável como Mastrángelo, acompanhado pela sabedoria de Veglio e pela velocidade de Felman.

Em La Bombonera, no dia 6 de setembro, contra o Cruzeiro, foi a primeira partida final e o Boca levou a melhor, vencendo por 1 a 0. No dia 11 foi a revanche, no Mineirão, e os locais venceram também por 1 a 0, com um grande gol de Nelinho de fora da área.

O dia da glória do Boca foi em 14 de setembro, no Centenário de Montevidéu, com 60 mil almas que encorajaram sem parar o time argentino, que jogou com uma estranho uniforme branco. Após o empate aos zero aos 120 minutos, veio a definição de pênaltis, onde os nove primeiros marcaram: Mouzo, Darcy Menezes, Tesare, Neca, Zanabria, Morais, Pernía, Lívio e Felman. Até que Gatti parou Vanderley com sua mão e o Boca entrou na história da Copa Libertadores de América.
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

O Curioso do Futebol

O Curioso do Futebol
Site do jornalista Victor de Andrade e colaboradores com curiosidades, histórias e outras informações do mundo do futebol. Entre em contato conosco: victorcuriosofutebol@gmail.com

Twitter

YouTube

Aceisp

Total de visualizações