quarta-feira, 1 de julho de 2015

Bélgica 2 x 1 EUA - Salvador assiste belo jogo decisivo

Bélgica ganhou a partida nos detalhes

* por Helio Oliveira

Quando a Copa foi anunciada, um grupo de amigos resolveu ir nos jogos de Salvador, já que outro amigo nosso aqui de Vitória-ES, cidade onde moro, estava trabalhando por lá. Assim, poderíamos ficar em seu apartamento e não gastar com estadia.

Esses três amigos compraram o pacote de jogos pra Salvador antes mesmo de sair a tabela dos jogos e piraram, pois, para nós, os melhores jogos da primeira fase acabaram sendo lá. Como eu estava sem grana na época, por causa de uma reforma em minha casa, esperei até uma das fases de vendas seguintes. Consegui comprar os ingressos para Irã e Bósnia e as oitavas-de-final, que acabou sendo Bélgica e Estados Unidos, tema deste artigo. O meu ingresso das oitavas foi, inclusive, meia de estudante, com preço acessível, menos de R$ 100,00.

Meus amigos foram no inicio da Copa para capital baiana. Eu cheguei um dia antes de Irã e Bósnia só. Foi fácil chegar à Fonte Nova para o jogo Bélgica e Estados Unidos, realizado no primeiro dia do mês de julho, pois tinha o esquema de ônibus especiais. Porém, o preço era um roubo: R$ 20,00 que pagávamos por aqueles ônibus comuns de cidade.

Com o genial cosplay do Alexi Lalas

A partida foi bem emocionante, inclusive com a necessidade de prorrogação para decidir o vencedor.  Porém, fiquei um pouco decepcionado com a tão falada boa geração belga. Achei o time dos Estados Unidos “ruim com força”, mas pelo menos eram mais raçudos e esforçados. Torci pra eles, mas não deu muito certo. No tempo extra, 2 a 1 para a Bélgica e, apesar do futebol fraco, avançaram para a fase seguinte. Os norte-americanos voltaram para casa mais cedo.

No estádio, como meu lugar era longe, eu acabei vendo o jogo em pé, atrás da última linha de cadeiras do primeiro nível da Fonte Nova. Lá, fiquei perto de uns norte-americanos que estavam bem empolgados. Conversei com eles e com um escocês que estava junto com essa galera. Eles eram de Washington, e o escocês tinha feito intercambio por lá e combinou com os amigos de se reencontrarem na Copa do Mundo.

Times perfilados para a hora do hino

Uma coisa interessante da torcida norte-americana era que você via camisas da Seleção dos Estados Unidos com nome de vários jogadores. Não era como a torcida brasileira, só com camisas do Neymar. Tinha de tudo mesmo, até do horrível do Beckerman. Mas dava pra ver que o favorito da galera era o goleiro Tim Howard, que, aliás, pegou muito nesse jogo.

Outro fato pitoresco e que não esqueci, é claro, foi que encontrei uma figuraça fantasiada como o ex-zagueiro dos Estados Unidos Alexi Lalas, que jogou as Copas de 1994 e 1998. Ele foi grande a sensação do Estádio e todo mundo parava pra tirar foto com ele (risos).

O estádio em si ficou lindo. A Arena Fonte Nova é muito boa mesmo. Eu fui no Maracanã na época da Copa das Confederações, mas a Fonte Nova estava em um nível mais alto.

Sobre estar na Copa do Mundo, acho que não dá para não dizer que é uma coisa única. É tipo o carnaval do futebol, pois tem gente de todo lugar fazendo festa e feliz da vida. É um clima muito bom.


 * Helio Roberto Almeida de Oliveira, 30 anos, é funcionário público, mora em Vitória-ES e torce para dois times: o Tupy do Espírito Santos e o Flamengo. Ele faz parte de uma das torcidas do Tupy, que tem uma página no Facebook.
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

O Curioso do Futebol

O Curioso do Futebol
Site do jornalista Victor de Andrade e colaboradores com curiosidades, histórias e outras informações do mundo do futebol. Entre em contato conosco: victorcuriosofutebol@gmail.com

Facebook

Twitter

YouTube

Aceisp

Total de visualizações