Brasil vencia a Inglaterra em confronto histórico do Mundial há 50 anos

Por Mateus Bezerra / FPF
Foto: Fifa.com

Pelé e Gordon Banks no lendário lance: no final, 1 a 0 para o Brasil

Em 1970 a Seleção Brasileira encantou os amantes do futebol com seu time recheado de craques, chegando à conquista do tricampeonato da Copa do Mundo. Antes de alcançar o título, O Brasil venceu a Inglaterra, então campeã do mundo, na fase de grupos, com gol solitário de Jairzinho, Mas um lance específico, protagonizado por Pelé e o goleiro Gordon Banks ficaria para sempre na lembrança de todos os torcedores há exatos 50 anos.

A partida em questão era válida pela segunda rodada da Copa do Mundo de 1970, sediada no México. Eram as duas equipes mais fortes do Grupo 3, que também tinha Romênia e Tchecoslováquia. O Brasil havia vencido o primeiro jogo, contra a Tchecoslováquia, por 4 a 1. Os ingleses também estrearam com vitória, diante da Romênia, com placar mínimo. Com isso, o confronto provavelmente definiria o líder daquele grupo e assim foi o que aconteceu.

A chegada de Zagallo - Há quem diga que nunca houve uma seleção que reunia tantos craques como aquela. Do meio para frente, sobrava qualidade com Gérson, Tostão, Rivelino, Jairzinho e, claro, Pelé. O esquadrão ficou ainda melhor com a chegada do técnico Zagallo, no lugar de Saldanha, que promoveu algumas mudanças na equipe como abrir Rivelino pelo lado esquerdo e fazer com que Tostão jogasse mais avançado.


Durante as Eliminatórias, a Canarinho, ainda sob o comando de João Saldanha, ostentou 100% de aproveitamento. Foram seis vitórias, em seis partidas, com 23 gols marcados. Mas devido alguns problemas internos surgiram insatisfações com o antigo treinador, que ficaram ainda mais agravados depois da derrota para Argentina, por 2 a 0, em partida amistosa, e empate por 1 a 1 com o Bangu em Moça Bonita, no Rio de Janeiro. Após o empate, Saldanha deixou a Seleção e Zagallo assumiu o posto oito dias depois.

Na estreia do Velho Lobo, a equipe já apresentava sinais de um novo futebol. O Brasil recebeu o Chile, no Morumbi, e venceu por 5 a 0. Foram dois gols de Pelé, dois de Roberto Miranda e um de Gérson. Mais tarde, outro fato marcava o novo ciclo da Canarinho. No final da preparação para a o Mundial, em amistoso contra o Deportivo Léon, o treinador escalou pela primeira vez Gérson, Pelé, Jairzinho, Tostão e Rivellino juntos. Com o forte quinteto em campo, o Brasil superou os adversários por 5 a 2.

O jogo inesquecível - No estádio Jalisco, em Guadalajara, estavam em campo os títulos das três últimas edições do maior evento futebolístico do planeta. O Brasil com seu bicampeonato, em 1958 e 1962, e a então campeã Inglaterra, com o título de 1966. Inclusive, os ingleses mantiveram a base da equipe vencdora, seguindo sob o comando do técnico Alf Ramsey e apostando na experiência do capitão Bobby Moore e do meia Bobby Charlton. O goleiro Gordon Banks, e os atacantes Peters e Hurst, o único jogador, até hoje, a fazer três gols em uma final de Mundial, também eram atletas remanescentes daquele time campeão mundial.

A equipe europeia tinha a defesa mais sólida da competição e o Brasil o melhor ataque. O time inglês contava com a forte marcação de Moore, que segundo o Rei, foi o melhor defensor que ele já enfrentou. Na equipe brasileira, além de Pelé, uma nova mudança promovida por Zagallo chamava atenção. Paulo César entrava no lugar de Gérson, devido uma lesão no jogo contra a Tchecoslováquia, fazendo com que Rivelino jogasse um pouco mais recuado.


Desde os minutos iniciais, o jogo foi muito disputado, com poucas chances de gol. Apostando fortemente no talento do meia Bobby Charlton, a Inglaterra tinha o domínio da posse de bola, mas não conseguia criar situações claras de gol. A melhor ocasião aconteceu aos 12 minutos, e ficou marcada para a eternidade. O 'Capita' Carlos Alberto deu belo passe do campo de defesa para Jairzinho alcançá-la em alta velocidade e cruzar na medida para Pelé. O camisa 10 saltou até o segundo andar, cabeceou forte para o chão e Gordon Banks fez uma defesa extraordinária, de puro reflexo, reconhecida até hoje como a maior defesa da história das Copas.

Aos 15 minutos, o ponta-direita Francis Lee entrou em um lance forte contra Everaldo, fazendo falta desleal. Depois, o mesmo jogador chutou a cabeça do goleiro Félix, em um lance em que a bola já estava perdida. Além disso, os adversários não poupavam pontapés em Pelé. Então, para mostrar que também sabíamos chegar forte, enquanto o Lee fazia jogada pelo meio, o 'Capita' deixou a lateral direita e deu uma pancada no camisa 7. Até hoje os ingleses questionam que o jogador brasileiro deveria ter sio expulso naquele lance.

No segundo tempo a seleção voltou melhor. Desta forma, na marca de 20 minutos, Carlos Albertos cruzou da ala direita até a entrada da área, para Tostão. O atacante tentou um primeiro chute que bateu na defesa e voltou para ele. Na sequência, o camisa 9 tocou para Paulo Cesar, que devolveu. Tostão jogou a bola por entre as pernas de Moore e cruzou para Pelé, que rolou para Jairzinho soltar um foguete e fazer o gol da vitória brasileira, em uma das partidas mais marcantes de toda a história das Copas.

Após essa vitória, o esquadrão brasileiro ainda bateu a Romênia, no último confronto da primeira fase, garantindo a liderança do grupo. Nesta edição, a Seleção Brasileira chegou à terceira conquista em Copa do Mundo, vencendo a competição com 100% de aproveitamento.
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Colabore

O Curioso do Futebol

O Curioso do Futebol
Site do jornalista Victor de Andrade e colaboradores com curiosidades, histórias e outras informações do mundo do futebol. Entre em contato conosco: victorcuriosofutebol@gmail.com

Twitter

YouTube

Aceisp

Total de visualizações