sexta-feira, 6 de maio de 2016

Dança da Bundinha, grama comida e o título carioca do Fogão em 97

Jogadores do Botafogo fazem a Dança da Bundinha

Neste domingo, dia 8, Botafogo e Vasco da Gama decidem o Campeonato Carioca de 2016. Este confronto é um dos clássicos mais tradicionais do futebol do Rio de Janeiro. Por isso, vamos relembrar a decisão entre estes dois times no estadual de 1997, quando o Fogão foi campeão.

Aliás, foi um campeonato que terminou em data posterior ao planejado. Tudo porque o Vasco pediu o adiamento da última rodada do terceiro turno, devido à convocação de seus jogadores para a Copa América, que foi realizada na Bolívia, e Seleção Sub-20. Como o mandatário cruzmaltino, Eurico Miranda, era aliado do presidente da FFERJ, Eduardo Viana, o Caixa D'água, a solicitação foi aceita.

O lance de Edmundo no primeiro jogo da final

A decisão revoltou os flamenguistas, que não compareceram aos últimos jogos (contra Americano e o próprio Vasco), garantindo ao Gigante da Colina o título do terceiro turno e a vaga na final do campeonato ao lado do Botafogo, vencedor das taças Guanabara e Rio.

No dia 5 de julho, Vasco e Botafogo entraram no gramado do Maracanã para o primeiro jogo da grande final. No primeiro tempo, Ramón marcou o gol vascaíno, o único da partida. Porém, o jogo foi marcado por outro lance: o craque Edmundo recebeu uma bola na lateral direita e foi cercado pelo zagueiro botafoguense Gonçalves. O Animal parou a bola e "botou a mão joelho, deu uma abaixadinha, rebolou gostoso, balançando a bundinha", passou por Gonçalves. Edmundo fez a Dança da Bundinha, que foi popularizada pelo conjunto É o Tchan.

Dimba comemorando o gol do título

O lance revoltou os jogadores do Botafogo e virou o tema mais debatido nas Mesas Redondas das rádios e televisões do Rio de Janeiro. Uns diziam que era desrespeito. Outros, apenas uma descontração do craque vascaíno. O que quase ninguém lembrou é que o resultado dava a vantagem do empate ao Vasco no jogo de volta.

O segundo jogo foi realizado três dias depois, também no Maracanã. Jogando pela igualdade no marcador, o Vasco abusava nos contra-ataques. Por ter tudo melhor campanha no todo do campeonato, o Fogão precisava apenas de uma vitória simples, mas isto não estava sendo uma tarefa fácil para o time da Estrela Solitária.

Dimba comendo a grama, literalmente

O tão sonhado gol do Botafogo saiu aos 33 minutos do segundo tempo. O centroavante Dimba, descoberto no futebol candango (por coincidência, no Botafogo Sobradinho), entrou na área pela direita, passou por Luisinho e deu um chute que Caetano (que substituía Carlos Germano) não conseguiu defender. Gol do Fogão, o gol do título botafoguense.

Na comemoração do título, duas cenas marcantes. A primeira foi com o autor do gol do título. Dimba pegou um pequeno chumaço de grama do Maracanã e comeu. Isso mesmo, você não está lendo errado. Ele mastigou aquele pequeno pedaço do 'tapete verde' como se fosse a melhor comida do mundo. Tudo isso para mostrar que havia vencido no futebol. Vale lembrar que Dimba sofria uma pressão constante da torcida, pois substituía o ídolo Túlio, que no início do ano foi negociado com o Corinthians.



A outra atitude que marcou foi protagonizada por Gonçalves, sendo seguido por diversos jogadores e membros da delegação botafoguense. Para responder à provocação de Edmundo no primeiro jogo, o zagueiro correu para frente da torcida vascaína e também "botou a mão joelho, deu uma abaixadinha, rebolou gostoso, balançando a bundinha", fazendo a Dança da Bundinha, junto com seus companheiros. A cena ficou marcada para sempre na história do futebol carioca.
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

O Curioso do Futebol

O Curioso do Futebol
Site do jornalista Victor de Andrade e colaboradores com curiosidades, histórias e outras informações do mundo do futebol. Entre em contato conosco: victorcuriosofutebol@gmail.com

Facebook

Twitter

YouTube

Aceisp

Total de visualizações