domingo, 28 de junho de 2015

Brasil 1 x 1 Chile - Prorrogação, bola na trave e pênaltis

Brasileiros comemoram a vitória nos pênaltis

* por Victor de Andrade

Minha história sobre o jogo Brasil e Chile, válido pelas oitavas da Copa do Mundo de 2014, começa quando eu estava assistindo pela televisão o jogo em que a Seleção Brasileira ganhou de Camarões. De repente, abre venda de ingressos para o jogo das oitavas entre o primeiro do Grupo A, que provavelmente seria o Brasil, e o segundo do Grupo B, que foi definido horas antes e era o Chile. Fui rápido e garanti meu ingresso para o jogo do dia 28 de junho, no Mineirão.

Na manhã do sábado, dia 28, saí de Cubatão rumo ao aeroporto de Congonhas. Chegando lá, um susto: a maioria dos voos estava atrasados, pois havia mal tempo em boa parte do país. Porém, o aeroporto de Confins estava operando normalmente, causando um enorme alívio. O embarque teve 20 minutos de atraso, mas ainda assim estava a tempo de chegar ao Mineirão com tranquilidade.

Cheguei a Confins faltando 1h40 para o apito inicial. Demorei cerca de 40 minutos para chegar ao Estádio Governador Magalhães Pinto. No caminho, conversei com muitos chilenos, que estavam confiantes em sua seleção. O Brasil era favorito, mas mostrou diversas falhas nos jogos anteriores.

Chilenos estavam confiantes

Entrando no Mineirão, havia uma bela guerra de cânticos. Os chilenos mandavam o tradicional “chi-chi-chi le-le-le”, e os brasileiros, diferentemente dos outros jogos, respondiam à altura. Eu até me espantei, pois os brasileiros que assistiam às partidas de sua seleção pareciam mais plateia do que torcida, mas naquele dia, em Belo Horizonte, a pegada estava diferente.

A partida iniciou com o Brasil tomando a iniciativa, o que deixou todos menos preocupados. Aos 18 minutos, Neymar cobra o escanteio, Thiago Silva desvia e David Luiz marca: Brasil 1 a 0. O Mineirão explode de alegria! A seleção continuou dominando o jogo, porém, aos 32, Hulk erra um passe bobo na defesa e a bola sobra para o bom atacante Alexis Sanchéz, que não perdoa e empata a partida.

No segundo tempo, o Chile dominou o meio de campo, com Vidal mandando na partida. Ele pisava na bola, dava os passes, indicava onde seus companheiros tinham que estar. O meia da Juventus de Turim era o verdadeiro maestro. Já o Brasil jogava nos contra ataques e em um desses lances, Hulk foi lançado, matou a bola no peito e errou o chute de pé direito, mas acabou enganando o goleiro Bravo e balançou as redes. Enquanto todo mundo comemorava, o árbitro inglês Howard Webb anulava o gol.

O jogo seguia com Bravo e Julio César trabalhando muito. Ambos evitaram que um dos times ficasse em vantagem no marcador. Para alívio da seleção brasileira, o meia Vidal sentiu uma contusão e foi substituído pelo atacante Pinilla.

No tempo extra, o Brasil foi melhor. Bravo fez, ao menos, duas boas defesas em chutes de Hulk. Sem Vidal no meio, o Chile perdeu o domínio na intermediária e pouco fez durante a prorrogação. Porém, teve um lance que assustou.

No final do tempo extra, o atacante Pinilla recebeu um passe na entrada da área, ajeitou a bola no pé direito, chutou forte e a redonda explodiu no travessão. Os brasileiros, atônitos, ficaram boquiabertos, inclusive eu. Os chilenos ficaram com o grito de gol preso na garganta. Com o empate persistindo, o jogo iria ser decidido na cobrança de pênaltis.

A decisão por penalidades iniciou com David Luiz fazendo 1 a 0. Julio Cesar pegou a cobrança de Pinilla. William chutou para a fora e, em seguida, o goleiro brasileiro defendeu o pênalti batido por Sánchez. Marcelo faz 2 a 0 para o Brasil, mas Aránguiz diminuiu.

Na volta, uma surpresa: Valdivia veio para São Paulo no mesmo voo

Hulk chuta o pênalti em cima do goleiro Bravo e Díaz faz para o Chile. A vantagem que o Brasil tinha foi por água abaixo. Decisão empatada. Neymar bate e faz o terceiro. A última cobrança chilena ficou para Jara, que chutou na trave e garantiu a festa no Mineirão.

Na saída, fui até a lojinha oficial da Fifa para comprar alguns suvenires para a família. Algo me dizia que aquele era meu último jogo in loco na Copa do Mundo, o que acabou acontecendo. Na saída do estádio, conversei com alguns chilenos. Até consolei alguns, dizendo que a seleção deles havia jogado muito bem. Um desses torcedores confessou: “jogamos bem, mas não ganhamos. Porém, nunca vi uma seleção brasileira com centroavantes tão ruins”.

Fui até o aeroporto de Confins e lá esperei o voo para São Paulo. Ao adentrar no avião, uma surpresa. Valdívia não voltou com a delegação chilena, preferiu ir para São Paulo. Solícito, tirou foto com todos que pediram, inclusive eu!

Cheguei no aeroporto de Congonhas e, em seguida, desci a serra. Chegando em casa, dei um abraço e um beijo em minha esposa Elis Rebouças e disse, rindo: “estou curado da hipertensão”. Porém, ainda estava com uma pulga atrás da orelha, já que a Seleção Brasileira não mostrou força suficiente para chegar ao título. É, eu estava com razão!


* Victor de Andrade, 36 anos, é jornalista, mora em Cubatão-SP e torce pela Portuguesa Santista. Victor é responsável pelo blog O Curioso do Futebol.
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

O Curioso do Futebol

O Curioso do Futebol
Site do jornalista Victor de Andrade e colaboradores com curiosidades, histórias e outras informações do mundo do futebol. Entre em contato conosco: victorcuriosofutebol@gmail.com

Facebook

Twitter

YouTube

Aceisp

Total de visualizações