terça-feira, 20 de agosto de 2019

Como se explica o amor eterno dos argentinos por Diego Armando Maradona?

Por Lula Terras

Cena marcantes de argentinos adorando Maradona na Copa do Mundo de 2018
(foto: Giuseppe Cacacci/AFP)

Mesmo tendo como ídolo Lionel Messi, que tem em seu acervo nada menos do que cinco Bolas de Ouro, o torcedor argentino mostra, ao longo dos anos, que o sentimento nutrido por Diego Armando Maradona é muito mais forte e ganha força, principalmente, no mês de outubro de cada ano, quando é comemorado o aniversário do eterno ídolo. Neste ano, Maradona comemora 59 anos, no dia 30 de outubro, e como geralmente acontece no período, ele é comemorado e reverenciado por torcedores, que já são conhecidos como maradonianos. 

Trata-se de grupo enorme de torcedores que o idolatra de maneira até religiosa, mesmo diante da forma controversa como levou sua carreira de atleta. Assim como é colocado como grande rival de Pelé, como o melhor do Mundo, principalmente, dentro do território argentino, Maradona teve sua carreira prejudicada pelo envolvimento com as drogas, situação que lhe causou severas punições, por parte da FIFA, entidade máxima do futebol mundial, que acabaram por tirar muito do brilho de sua carreira de atleta. 

Há quem garanta que a motivação de tamanha adoração possa ter surgido, durante a Copa do Mundo de 1986, quando a Argentina conquistou o Mundial, disputado no México, com atuação impecável de Maradona, que foi o grande responsável pela grande conquista, depois de oito anos, da primeira Copa conquistada,em 1978, dentro do território argentino. Apesar da conquista do título foi contra a forte Alemanha, em que os argentinos venceram por 3 x 2, com gols de Brown, Valdano e Burruchaga, descontando Rummenigge e Voller, para a Alemanha, o grande destaque na Copa foi o confronto entre Argentina x Inglaterra, pelas quartas de final, vencido pelos argentinos por 2 x 1, com dois gols de Maradona. A expectativa era grande, pelo fato dos dois países terem guerreado em 1982, pela propriedade das Ilhas Malvinas que, embora esteja em território argentino, os ingleses não abrem mão de manter sobre sua administração.

O ídolo foi a grande figura na Copa do Mundo de 1986

Diante de tanta expectativa, e para inibir possíveis confrontos, extra-futebol, os organizadores colocaram tanques, circulando por ruas próximas ao Estádio Azteca, no dia do jogo. Foi, justamente neste jogo que aconteceu, o gol de mão considerado como o gol do século. No final da partida, questionado sobre a irregularidade do lance, Maradona disse que, se houve mão na bola, foi a mão de Deus, para delírio da torcida da Argentina, que se sentiu vingada, diante da derrota na guerra das Malvinas. 

Como atleta, Maradona começou em 1976, no Argentinos Júniors, onde ficou até 1982, quando passou a defender as cores do Boca Juniors. Depois seguiu para a Europa, onde ficou até 1997, passando por equipes como Barcelona, Napoli, e Sevilla. Já, no final de carreira com inúmeras e importantes conquistas, dentro das quatro linhas. Já, no final de sua carreira como atleta, Maradona voltou para a Argentina, onde defendeu as cores dos seguintes times: Newell’s Old Boys e Boca Juniors. 

Depois de encerrar a carreira como futebolista, Maradona começou outra, como treinador, a partir de 1994, dirigindo algumas equipes argentinas, com destaque para o Racing, considerado um dos grandes do País, e do selecionado do País, em 2008, para substituir Alfio Basile, chegando a comandar a seleção, durante a Copa do Mundo de 2010, na África do Sul, com a Argentina ficando em 5º lugar.
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

O Curioso do Futebol

O Curioso do Futebol
Site do jornalista Victor de Andrade e colaboradores com curiosidades, histórias e outras informações do mundo do futebol. Entre em contato conosco: victorcuriosofutebol@gmail.com

Facebook

Instagram

Twitter

YouTube

Aceisp

Total de visualizações