quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

O São Paulo FC campeão brasileiro de 1986

Com informações do site oficial do São Paulo FC
Foto: arquivo São Paulo FC

O time do São Paulo que conquistou o título no Brinco de Ouro

Há 32 anos, no Estádio Brinco de Ouro, o Tricolor escreveu um dos grandes capítulos na história do clube: no dia 25 de fevereiro de 1987, o São Paulo derrotou o Guarani e conquistou o Campeonato Brasileiro de 1986. E foi com emoção! Na final, Gilmar, Pita e Careca comandaram a emocionante virada sobre os campineiros, que venciam até os instantes finais.

A busca pelo bicampeonato do Tricolor, que já havia conquistado o torneio em 1977, começou no dia 30 de agosto de 1986. A competição, que contou com a participação de 80 clubes, só terminou no ano seguinte quando o São Paulo ergueu a taça no interior paulista.

Na primeira fase, 44 clubes foram divididos em 11 grupos, jogando em turno único dentro de cada chave. Paralelamente, 36 foram divididas em nove grupos em busca de nove vagas na segunda fase, que contou com 36 times.

Nas fases finais, com oitavas de final, quartas de final, semifinais e final, as eliminatórias foram definindo os classificados. O Tricolor, então, sempre em jogos de ida e volta, passou por Inter de Limeira, Fluminense, América-RJ e Guarani para ficar com o título do Campeonato Brasileiro.

A equipe são-paulina, comandada por Pepe, era uma verdadeira constelação: Gilmar; Fonseca, Wagner Basílio, Darío Pereyra e Nelsinho; Bernardo, Silas e Pita; Müller, Careca e Sídnei. Na edição daquele ano, Careca balançou as redes 25 vezes e foi o grande artilheiro da competição.

A final - Decisão é palavra imprópria para descrever o que foi aquela partida: verdadeiro marco para toda uma geração de torcedores. 25 de fevereiro de 1987. O Brinco de Ouro com quase 40 mil pessoas vestidas de verde e super-confiantes na vitória, após o empate em 1 a 1 no jogo de ida. Toda essa pressão resultou, logo aos 6', em gol contra do são-paulino Nelsinho. O Tricolor reagiu, minutos depois, não deixando por menos. Bernardo empatou, de cabeça.

Eletrizante do início ao fim, o tempo regulamentar terminou assim. A prorrogação seria ainda mais sensacional. Logo no primeiro minuto, Müller avança pela direita e cruza para Pita, que vira o jogo para o São Paulo. O Guarani não se dá por vencido, e empata a partida, novamente, com um cabeceio no ângulo do goleiro Gilmar.

O segundo tempo da prorrogação foi antológico. Aos 5', o zagueiro são-paulino Wagner Basílio não domina a bola e João Paulo, veloz bugrino, avança, rouba a pelota e mesmo sofrendo falta a empurra para o fundo das redes. Virada verde, 2x3.

Parecendo não possuir mais forças, o Tricolor se vê desnorteado em campo. A torcida festeja. A imprensa já dá como certa a peleja. Até mesmo o hino do Guarani começa a ser escutado nos alto-falantes do estádio e nas telinhas por todo o Brasil. Um minuto para o fim. Fogos por toda a região. E então, o silêncio. Que foi desaparecendo ao ruído de um pequeno grupo, que comemorava enlouquecidamente, ainda sem entender direito o que havia acontecido.

Wagner Basílio dera um chutão pro alto. Pita, antevendo a salvação, saltou, ganhando de seu marcador, e desviou a bola em profundidade. Careca correu e encheu o pé, afundando a bola com força no gol campineiro!

Mais uma vez tudo seria decidido nos pênaltis. Boiadeiro e Careca perdem suas cobranças. Em seguida, João Paulo também erra e os demais anotam os seus. A vitória estava nos pés de Wagner Basílio, que chutou mal, fraco, mascado. Os locutores já gritavam "Fora!", mas foi gol! A bola entrou mansamente e descansou junto às redes laterais.
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

O Curioso do Futebol

O Curioso do Futebol
Site do jornalista Victor de Andrade e colaboradores com curiosidades, histórias e outras informações do mundo do futebol. Entre em contato conosco: victorcuriosofutebol@gmail.com

Facebook

Twitter

YouTube

Aceisp

Total de visualizações