sexta-feira, 23 de novembro de 2018

Os heróis da conquista da Libertadores do Mengão em 1981

Por Lucas Paes

O Flamengo dando a volta olímpica em Montevidéu: campeão da Libertadores em 1981

Em 1981, com o que é com certeza o maior e melhor time já montado pelo Flamengo, o rubro-negro carioca conquistou a Libertadores e o Mundial de Clubes, em um ano onde Zico só não fez chover no futebol mundial. A Libertadores veio em 23 de novembro daquele, em um jogo extra, realizado em Montevidéu, quando o Rubro Negro fez 2 a 0 no Cobreloa. Neste texto vamos ver um quem é quem dos heróis dessa conquista do Mengão. 

Raul: Um dos melhores goleiros do futebol brasileiro, Raul Plasmann marcou época no Cruzeiro de um tal de Tostão. Era o goleiro do time campeão da Taça Brasil de 1966. Depois, passou seis anos no Flamengo, onde fez parte do maior esquadrão já montado pelo rubro-negro da Gávea. Apesar disso, chegou a não jogar algumas partidas na Libertadores de 1981. Fez um total de 227 partidas com a camisa do gigante carioca e era guardião absoluto das traves rubro-negras neste período. Foi treinador e dirigente ao fim da carreira. 

Cantareli: Outro ídolo da torcida rubro-negra, o goleiro praticamente só jogou pelo Flamengo, tendo rápida passagem pelo Náutico ao fim de sua carreira. Foram 557 jogos nas duas passagens pela Gávea. Fez três partidas como titular na Libertadores de 1981, sendo depois substituído por Raúl. Depois da carreira, foi preparador de goleiros. 

Leandro: Sem sombra de dúvidas um dos maiores laterais a jogar no Brasil, só vestiu a camisa flamenguista em sua carreira. Foram 415 jogos e 14 gols pelos cariocas. Além disso, ele foi titular da inesquecível Seleção Brasileira comandada por Telê Santana, da Copa do Mundo de 1982, na Espanha. No final da carreira, passou a jogar na zaga. Foi um dos maiores destaques da conquista continental de 1981. Hoje é dono de uma pousada em Cabo Frio. 

Nei Dias: O ex-lateral teve maior destaque no Botafogo, mas merece menção neste texto pois se trata de Libertadores. Nei foi substituto de Lico na decisão. Além disso, atuou em cinco jogos naquela competição, seja vindo do banco ou entrando como titular. Também participou da conquista do carioca. Foram 22 jogos com a camisa rubro-negra. 

Marinho: A metade de pouca habilidade da dupla de zaga, compensava a falta de uma técnica mais apurada numa boa marcação e bom posicionamento. Jogou 218 vezes e marcou 6 gols com a camisa do Mengão. Chegou a atuar duas vezes pela Seleção Brasileira em 1983, ainda como jogador flamenguista. Marcou um gol na Libertadores de 1981. 

Mozer: Uma verdadeira divindade da zagueirância, foi absoluto em praticamente todos os clubes que jogou, não sendo diferente vestindo rubro-negro. Foram oito anos, 292 jogos e 21 gols pelo Mengão, jogando depois por Benfica, Olympique de Marselha e Kashima Antlers. Depois foi treinador e até março deste ano chegou a ser diretor de futebol do próprio Flamengo. Jogou 36 vezes pela Seleção Brasileira, sendo inclusive titular em parte da má campanha de 1990 e cortado as vésperas da Copa de 1994. 

Figueiredo: Morto precocemente em um acidente de avião em 1994, se firmou com a camisa rubro-negra justamente em 1981. Revelado pelo clube, atuou como titular na decisão da Libertadores. Fez 152 jogos pelo clube que o revelou, antes de sua precoce passagem deste plano. 

Júnior: Outra divindade do futebol brasileiro, é considerado o maior lateral esquerdo de todos os tempos depois de Nilton Santos, vulgo enciclopédia. Iniciou a carreira na Gávea em 1974 e atuou por 14 anos com a camisa rubro-negra, fazendo 875 jogos e marcando 77 gols. Ainda jogou por Torino e Pescara, além de fazer 88 jogos e 8 gols pela Seleção Brasileira, onde fez parte do esquadrão da Copa do Mundo de 1982. Hoje é comentarista na Rede Globo. 

Andrade: Também conhecido por ser o treinador campeão brasileiro de 2009 com o Flamengo, é ídolo da torcida e foi uma das maiores referências do meio campo flamenguista nos anos 1980. Fez 570 jogos e 28 gols pelo clube, além de chegar a Seleção Brasileira. Curiosamente, também atuou pelo arquirrival do rubro-negro, o Vasco da Gama. 

Adílio: Autor de um dos gols no mundial de 1983, marcou três gols no título continental. Era um verdadeiro motorzinho, tendo a mesma vontade atacando e defendendo. Foram 616 jogos e 128 gols vestindo vermelho e preto. Vestiu inclusive a amarelinha duas vezes. Chegou a ser treinador depois do fim da carreira profissional, passando inclusive pela Gávea, em tempos não tão gloriosos. 

Vitor: Disputava posição com Andrade, portanto dificilmente jogava, apesar de conseguir ser titular algumas vezes, o que ocorreu na Libertadores de 1981. Revelado no Flamengo, jogou 136 jogos e marcou 5 gols com a camisa do Urubu. Assim como muitos desta época no clube, chegou inclusive a vestir a camisa da Seleção Brasileira. Outro que atuou pelo Vasco, foi campeão brasileiro no Cruzmaltino, onde fez 100 jogos. Foi treinador do Paraíba, em 2005. 

Chiquinho: Outro dos bons reservas do elenco do Mais Querido, chegou ao clube justamente em 1981, vindo do Olaria. O meia-atacante fez dois gols na Libertadores de 1981. Vestiu a camisa flamenguista 46 vezes, marcando cinco gols. Depois de perambular por clubes portugueses na sequência da carreira como jogador, se tornou treinador, também na Terra Mãe, passando também por diversos clubes brasileiros, mas hoje está sem clube. 

Zico: O galinho de quintino dispensa maiores apresentações. Maior ídolo da história do Flamengo, foi o artilheiro (11 gols), destaque e melhor jogador da conquista da Libertadores de 1981. Ouso aqui afirmar inclusive que era, naquela altura, o melhor jogador do mundo. Era o destaque do Brasil nas Copas do Mundo de 1982 e 1986 e teve passagem iluminada por Udinese e pelo futebol japonês. Também foi treinador e dirigente, cuidando hoje do CFZ. Não é necessário fazer maiores apresentações deste mito da camisa 10, um sinônimo de futebol. 

Lico: Apesar de não ser exatamente titular na campanha da Libertadores de 1981, jogou cinco vezes na competição. Se firmou depois no Flamengo, fazendo 128 jogos e 17 gols, números bastante razoáveis. Depois do fim de uma boa carreira como jogador, foi treinador do Avaí em 1989. 

Tita: Outro que dispensa grandes apresentações, é um dos maiores destaques daquele estrelado elenco rubro-negro. Jogou 389 jogos e marcou 134 gols pelo Mengão. Na Libertadores de 1981 marcou um gol em 11 jogos. Em 1983, num empréstimo para o Grêmio, ganharia outra Libertadores, apesar de voltar ao Rio antes do Mundial. Teve ótimas passagens por diversos outros clubes em sua carreira, além de fazer 32 jogos e seis gols pela Seleção Brasileira, onde esteve na Copa do Mundo de 1990, apesar de não jogar. Seguiu carreira como treinador após pendurar a chuteira. 

Anselmo: Apesar de não ser exatamente uma super referência do Fla, ganhou o respeito dos torcedores (e até faixa) após desferir um soco no zagueiro Soto, na terceira partida da final da Libertadores, vingando-se da violência aplicada pelo zagueiro nas partidas sob os jogadores rubro-negros. Entrou na final só para isso. Atuou em 37 jogos e marcou 11 gols pelo Flamengo. 

Baroninho: Titular em boa parte da campanha da Libertadores de 1981, chegou ao Flamengo por empréstimo e jogou apenas 50 jogos pelo rubro-negro, marcando 9 gols, três deles na competição continental. Fez 193 jogos e 32 gols pelo Palmeiras, melhor momento de sua carreira. Depois virou treinador, sendo inclusive quem levou o XV de Jaú as semifinais da Bezinha de 2016, que teve a Briosa como campeã. 

Nunes: Conhecido por seus gols em jogos decisivos, foi um dos grandes destaques daquele time, sempre com gols importantes. O atacante marcou 96 gols com a camisa rubro-negra, em 150 jogos. Teve também passagem pela Seleção Brasileira. Depois da carreira futebolística, chegou a tentar a sorte na política, sem obter sucesso, porém. Passou também pelo Fluminense, inclusive antes de jogar no Flamengo. 

Paulo César Carpegiani: Um ótimo meio campista quando jogador, Carpegiani já começou a carreira como treinador com um título de Libertadores, após ser forçado a se aposentar por causa de uma lesão, substituindo o lendário Cláudio Coutinho, idealizador da montagem daquela equipe, que acabou falecendo inclusive no final do ano de 1981. Carpegiani atualmente está sem clube, após deixar o Vitória.
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

O Curioso do Futebol

O Curioso do Futebol
Site do jornalista Victor de Andrade e colaboradores com curiosidades, histórias e outras informações do mundo do futebol. Entre em contato conosco: victorcuriosofutebol@gmail.com

Facebook

Instagram

Twitter

YouTube

Aceisp

Total de visualizações