sexta-feira, 11 de maio de 2018

Fluminense campeão do Troféu Teresa Herrera de 1977

O time que jogou contra o Dukla, na final do Troféu Teresa Herrera

Tradicional competição de pré-temporada disputada na Espanha, o Troféu Teresa Herrera sempre atraiu os grandes clubes do mundo. Disputado pela primeira vez em 1948, em 10 anos teve apenas um campeão não espanhol: a Lazio, em 1950. Em 1957, o Vasco vencia o troféu e dois anos mais tarde era reconquistado pelo Santos com sua grande estrela, Pelé. Em 1977, o torneio voltava "às mãos" dos brasileiros: o Fluminense conquistou o caneco.

O Tricolor, com seu grande time, chamado de Máquina, depois de disputar dois amistosos na França, onde empatou em 1 a 1 com o Paris Saint Germain e derrotou o Nice por 2 a 1, chegou a La Coruña às 11h30 de uma quinta-feira, hospedando-se no Hotel Finisterre. Credenciado pelo título de campeão do Torneio de Paris em 1977, o Flu aparecia como um dos favoritos ao título ao lado da poderosa equipe do Real Madrid, último vencedor da Taça.

Para a estréia na noite de sábado, dia 6 de agosto, no Estádio Riazor, Pinheiro, técnico tricolor, tinha como preocupação os contra ataques da equipe holandesa do Feyenoord. Esperava também uma marcação rígida e a tentativa dos laranjas com o famoso “Carrossel de 74″, surpreenderem o tricolor.

Torcedores levantam o
troféu na volta do Flu ao Brasil

Os dois times entraram em campo sabiam que iriam enfrentar o Dukla Praga na final, que havia batido o Real Madrid nos pênaltis, depois de um empate em 2 a 2 no tempo normal. Então, o Flu apresentou atuação brilhante e com dois gols de Doval derrotou os holandeses, se credenciando para a final contra os tchecos.

O Dukla possuía em seu time seis titulares da seleção tcheca, apontada como uma das grandes sensações do Mundial de 1978. A partida final, realizada na tarde de domingo, 7 de agosto, ainda no Estádio Riazor, levou ao estádio cerca de 40 mil espectadores que seriam abrilhantados com um choque de estrelas. Pelo menos onze jogadores das 2 equipes estariam presentes no Mundial e o confronto de 2 escolas diferentes. Na preliminar, o Real Madrid fez 4 a 2 no Feyenoord e ficou com o terceiro lugar.

Uma cerrada marcação sobre Rivellino tentou barrar a criação de jogadas tricolores, mas foi em vão.
O lance do primeiro gol surgiu dos pés de Pintinho que passou a Luís Carlos e este arrematou de forma violenta vencendo o goleiro Netolicka, aos 38 minutos do primeiro tempo.

No dia seguinte, os jornais espanhóis exaltaram a vitória Tricolor

Na etapa final, o público esperava uma reação tcheca, mas assistiu o inverso. Logo aos 8 minutos, Doval marcava o segundo e aos 16, Zezé ampliava. Aos 31 cobrando penalti, Vizek descontou para o Dukla, mas Marinho Chagas fechou o caixão adversário ao converter um pênalti. Fluminense 4 a 1 no Dukla e conquistava a competição. A crônica espanhola, em diversas de suas manchetes, caracterizaram a partida como um verdadeiro “massacre”. Rivellino e seus companheiros eram bastante elogiados.

O Fluminense ficou como uma verdadeira obra de arte em sua sala de troféus. A peça é uma reprodução em escala reduzida da Torre de Hércules, principal monumento histórico de La Coruña. Confeccionada pelos joalheiros Malde y Arbonez, pesa aproximadamente 30 kg e tem 1.20 m de altura.
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

O Curioso do Futebol

O Curioso do Futebol
Site do jornalista Victor de Andrade e colaboradores com curiosidades, histórias e outras informações do mundo do futebol. Entre em contato conosco: victorcuriosofutebol@gmail.com

Facebook

Twitter

YouTube

Aceisp

Total de visualizações