quinta-feira, 24 de maio de 2018

A majestosa estreia de Leônidas no dia de recorde do Pacaembu

Com informações do site oficial do São Paulo FC

Leônidas, o terceiro agachado, em sua estreia pelo Tricolor Paulista, contra o Corinthians

Maior craque brasileiro dos anos 30 e 40, Leônidas da Silva causava alvoroço por onde passava. A prova disso foi sua estreia pelo São Paulo, em 24 de maio de 1942, em um jogo contra o Corinthians, no Pacaembu. Foi neste dia que o clássico entre as duas equipes ganhou o apelido de Majestoso e também é, até hoje, o recorde de público do estádio municipal da capital paulista: 71.281 pagantes.

A chegada de Leônidas ao São Paulo é por si só uma história marcante. Foi anunciado pela imprensa como reforço do Tricolor no dia 1º de abril. Obviamente, a torcida, local ou rival, não acreditou. O craque estava sem jogar há oito meses, fora de forma, e muitos acreditavam que estava acabado para o futebol. Que Leônidas não seria mais o mesmo Diamante Negro da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1938, em que encantou o mundo.

Para aumentar a descrença geral, a transferência do Flamengo para o São Paulo se deu ao custo de 200 contos de réis - o maior montante já pago em uma negociação de jogador de futebol até então, e por muito tempo, no Brasil.

Leônidas chegou a São Paulo vindo do Rio de Janeiro em uma tarde de sexta-feira, 10 de abril de 1942, na Estação do Norte, no bairro do Brás, onde foi recebido por uma multidão de 10 mil pessoas - que realizaram uma verdadeira passeata, carregando o ídolo nos ombros até a sede do São Paulo, na Rua Dom José de Barros.

O Campeonato Paulista já estava em disputa, e os diretores do São Paulo, visto o estado físico de Leônidas, preferiram postergar a estreia do centroavante até que estivesse com mínima condição de jogo. E isso se deu somente a 24 de maio de 1942, justamente em um clássico majestoso, São Paulo e Corinthians, no Pacaembu.

O Diamante Negro foi apresentado e carregado nos braços da torcida

O clima para o jogo era mais tenso que a de uma final de campeonato. Os portões do estádio foram abertos às 10h da manhã. Às 13h, o Pacaembu já estava praticamente lotado, e os bondes e ônibus na região, vazios. Às 14 os portões foram fechados, com as arquibancadas superlotadas. Mais de 70 mil pessoas presentes, exatamente 71.281 pagantes - e vai saber lá quantos bicões... Um réporter de A Gazeta assim descreveu o que via dentro e fora do Pacaembu: "para se ter idéia da loucura, o público que estava no morro das avenidas dava para encher o Parque São Jorge".

Ocorreram ainda duas preliminares antes da peleja principal. Então, faltando dez minutos para as 16h, o apito soou, Leônidas deu o toque inicial e a bola rolou. Começava a Era Leônidas e a Década São Paulina, década a qual o São Paulo conquistou a soberania no estado, com cinco títulos conquistados (sendo um deles invicto, em 1946). Foi a era do Rolo Compressor, onde o São Paulo atropelava os concorrentes.

O jogo? Bom, o jogo acabou empatado em 3 a 3, com o rival empatando ao final, quando o São Paulo estava com um jogador a menos (Waldemar de Brito se contundiu e não eram permitidas substituições à época). Leônidas não marcou, mas foi o responsável pelo primeiro e terceiro gols do Tricolor.

O craque esteve bem, mesmo para estado físico em que se encontrava, mas o jornal A Hora(espécie de sensacionalista populista) estampou no dia seguinte o letreiro: "São Paulo compra bonde de 200 contos" - como se o clube tivesse comprado um jogador velho e ultrapassado. Leônidas nunca engoliu essa provocação e provou, seja ao marcar o primeiro gol de bicicleta em São Paulo em outro clássico, contra o Palmeiras, seja ao se tornar pedra fundamental do time que se tornou imbatível na década de 1940.

Hoje, 70 anos depois, o São Paulo olha o que se passou, reconhecendo e sendo extremamente grato a tudo que aquele pequeno diamante negro proporcionou não somente à própria entidade, mas a milhares de são-paulinos, do passado, do presente e do futuro.

Pacaembu lotou para ver a estreia de Leônidas

Leônidas da Silva
Centroavante

Jogos disputados pelo SPFC: 211
Estreia: 24/05/1942
Último jogo: 03/12/1950
Gols Marcados no SPFC: 144
Nascimento: 06/09/1913. Rio de Janeiro (RJ).
Títulos conquistados no SPFC: Campeão Paulista de 1943, 1945, 1946, 1948 e 1949.

Ficha Técnica
CORINTHIANS 3 X 3 SÃO PAULO

Data: 24 de maio de 1942
Local: Pacaembu - São Paulo-SP
Renda: 244:414$000 Réis
Público: 71.281 pagantes
Árbitro: Jorge Gomes de Lima "Joreca"

Gols
Corinthians: Jerônimo, aos 10' do primeiro tempo. Servílio, aos 3' e aos 43 do segundo tempo
São Paulo FC: Lola, aos 30' do primeiro tempo. Luizinho, aos 15', e Teixeirinha, aos 36' do segundo tempo.

Corinthians: Joel; Agostinho e Chico Preto; Jango, Brandão e Dino; Jerônimo, Milani, Servílio, Eduardinho e Hércules - Técnico: Rato

São Paulo FC: Doutor; Fiorotti e Virgílio; Waldemar Zaclis, Lola e Silva; Luizinho, Waldemar de Brito, Leônidas, Teixeirinha e Pardal. Capitão: Fiorotti - Técnico: Conrado Ross
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

O Curioso do Futebol

O Curioso do Futebol
Site do jornalista Victor de Andrade e colaboradores com curiosidades, histórias e outras informações do mundo do futebol. Entre em contato conosco: victorcuriosofutebol@gmail.com

Facebook

Instagram

Twitter

YouTube

Aceisp

Total de visualizações