terça-feira, 23 de junho de 2015

Croácia 1 x 3 México - Briga pela classificação e até na arquibancada

México jogou melhor e conseguiu a vaga nas oitavas

* por Daniel Soares França

Eu acredito que tinha por volta de 15 anos quando o Brasil foi escolhido como a sede da Copa de 2014. Lembro que recebi a notícia com bastante entusiasmo, afinal, a Copa do Mundo é o maior e o melhor evento esportivo em minha opinião. Por uma outra parte, fiquei apreensivo, já que não tinha certeza se minha cidade, Recife, iria ser escolhida como uma das sedes do evento, algo que foi concretizado anos depois e recebido como muita alegria pelo povo Pernambucano.

Minha irmã e eu ganhamos os ingressos na manhã do jogo Croácia e México. Foi um presente dos meus padrinhos, que preferiram ficar em casa para assistir o jogo do Brasil e Camarões, que seria no mesmo horário, pela televisão. Tive que buscar as entradas um pouco antes do meio-dia para ter tempo de assistir ao jogo.

Para chegar à Arena Pernambuco, eu levo 20 minutos, no máximo, de carro para chegar no local em dia de jogo do meu clube. Mas, como havia restrições para veículos privados, realizamos o trajeto de ônibus.  O percurso foi relativamente tranquilo, mas pegamos um pouco de engarrafamento quando passamos por uma cidade que fica entre Recife e a Arena Pernambuco. Depois, descemos em uma estação de Metrô e utilizamos o transporte até a chegada da estação onde pegamos um outro ônibus que dava acesso para a Arena.

Movimentação na frente da Arena

Um fato relativamente curioso quando estávamos próximos à Arena é que eu trajava uma camisa da Croácia e o local estava lotado, assim como o estádio, de mexicanos. Ouvi algumas piadas, mas a que eu consegui entender bem era ser chamado de "Puuuuuutoooo" (risos). Quando eu desci no ponto mais próximo ao estádio, eu tive a certeza de que a maioria esmagadora era mexicana. Eu suspeitava disso, porque havia um cruzeiro no porto de Recife onde só havia mexicanos. Antes de entrar no estádio, mais uma vez eu recebi tratamentos carinhosos de mais mexicanos.

A partida foi bem pegada, pois as duas equipes precisavam da vitória para conseguir a classificação. Lembro-me que a Croácia teve duas boas chances de abrir o marcador, mas, no geral, o México levou mais perigo ao gol adversário na primeira etapa.

No segundo tempo, o México partiu para cima em busca do resultado, empurrado por sua grande torcida no estádio. E, se aproveitando das bolas paradas, conseguiu abrir vantagem já na parte final da partida e consolidar a vitória em 10 minutos. O jogo terminou 3 a1 para os mexicanos. Rafa Marquez, Guardado e Chicharito Hernandez marcaram para o México. Perisic diminuiu para os croatas.

Recife e, principalmente, a Arena Pernambuco estavam tomadas pelos os mexicanos. Lembro que tanto no  Metrô e como no estádio era um "mar verde" de mexicanos. O clima do lado de fora da ‘cancha’ era tranquilo e de muita festa. Havia tendas espalhadas tocando músicas regionais, pop e eletrônica.

Encontrei bastante mexicanos com sombreros ou fantasiados de Chapolin Colorado. Acredito que quase 90% do estádio era composto por mexicanos. A festa toda era deles. Fiquei atrás de um dos gols, relativamente próximo do maior grupo de torcedores da Croácia. Grande parte do deles pareciam ser “ultra”, pois trouxeram faixas e assistiram ao jogo o tempo todo em pé em cima dos assentos, o que revoltou os torcedores que estavam atrás deles e não conseguiam ter uma visão completa do campo de jogo.


Equipes perfiladas na hora dos hinos

Um outro fato que ocorreu foi que a torcida do México começou a jogar alguns copos em direção aos torcedores croatas. Mas o ápice aconteceu quando houve o primeiro gol dos mexicanos. Aí foi, literalmente, uma "chuva de copos" e desencadeou uma briga, digna de campeonatos estaduais, brasileirão e afins, entre os croatas, mexicanos e os seguranças do evento que tentavam cessar o confronto. Eu confesso que não cheguei a ver o gol da Croácia, pois eu preferi sair do estádio antes que voltasse a acontecer uma nova briga.

Conversei  rapidamente com dois senhores croatas em inglês e perguntei o que eles estavam achando do país. Eles me responderam que estavam adorando o calor e que as pessoas procuravam sempre ajudá-los. Eles ficaram felizes e um pouco espantados de ver um brasileiro torcendo pela Croácia.

A sensação de estar em um jogo da Copa foi maravilhosa. Me sinto profundamente orgulhoso e realizado de poder ter tido a oportunidade de vivenciar aquele momento único. E senti um pouco de frustração em não poder assistir a jogos de futebol do meu clube com a torcida mista (apesar da briga ocorrida).

Gostaria de agradecer a comunidade Futebol Alternativo no Facebook, que passou a informação de que ainda havia ingressos disponíveis mesmo a pouco dias das realizações do jogos. Isso me deu a chance de poder acompanhar esse sonho de consumo para o amante do futebol. E agradecer também aos meus pais que me deram de presente ingressos para outra partida (minha irmã também ganhou).


* Daniel Soares França Araújo, o Dan (de Chapolin Colorado), tem 23 anos, é estudante de Geografia, mora em Recife e torce para o Sport.
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

O Curioso do Futebol

O Curioso do Futebol
Site do jornalista Victor de Andrade e colaboradores com curiosidades, histórias e outras informações do mundo do futebol. Entre em contato conosco: victorcuriosofutebol@gmail.com

Facebook

Twitter

YouTube

Aceisp

Total de visualizações