terça-feira, 12 de maio de 2015

Um fim de semana de futebol uruguaio – Parte II

Belo gol de falta do Wanderers, abrindo o marcador

Ontem contei aqui como foi o jogo que assisti pelo Campeonato Uruguaio no dia 14 de março deste ano, um sábado, entre Nacional e River Plate, que fui durante minhas férias e um pouco antes do blog ser criado. Neste jogo estavam comigo minha esposa Elis Rebouças e os irmãos Cuevasanta, Rossina e Joel, grandes amigos. Agora, vamos para o dia seguinte, domingo, onde pude fazer uma rodada dupla.

Assistir a dois jogos do Campeonato Uruguaio no mesmo dia não é uma tarefa das mais difíceis. A grande maioria dos times do campeonato é de Montevidéu. Então, é só torcer para que os jogos não sejam o mesmo horário e a rodada dupla está com meio caminho andado. É só você comparecer.

Torcida pequena, mas muito fanática, chegando ao Parque Vieira

Após o jogo do sábado, Elis e eu saímos para jantar, passeamos mais um pouco na charmosa e aconchegante capital uruguaia e voltamos ao hotel para descansar. Acordei cedo no domingo, por volta das 8 horas. Como minha esposa quis descansar pela manhã, “pedi permissão”, fui tomar meu café e, em seguida, fui sozinho em direção ao Parque Prado, mais precisamente para o Estádio Alfredo Victor Vieira para assistir ao meu segundo jogo naquele fim de semana: Montevideo Wanderers contra Atenas de San Carlos, que começaria às 10 horas.

Para chegar ao estádio, caminhei duas quadras até o Boulevard Gal. Artigas e peguei um ônibus para o Parque Prado. O sistema de transporte coletivo de Montevidéu é simples, mas muito eficiente. O único luxo nos veículos são as cortinas, como tinha por aqui antigamente. Porém, os horários são cumpridos quase sempre à risca. Para se ter uma ideia, somando os tempos de espera na ida e volta do jogo, não passei 10 minutos nos pontos de ônibus.

Sociais do acanhado estádio

Tinha conferido no mapa onde eu deveria descer, mas fiquei ainda mais sossegado quando no ponto seguinte, subiu um homem de cerca de 50 anos com a camisa dos Bohemios, como o Wanderers é conhecido, com seu filho. Mais próximo do estádio, subiu outro cara, com a camisa do AC/DC e tatuagem do clube. Quando desci do ônibus, percebi que a grande maioria dos torcedores que estava indo ao jogo tinha o escudo do Wanderers tatuado, inclusive o senhor de cerca de 50 anos. Isto prova que, apesar de pequena, a torcida do Wanderers é bem fanática.

Fui até a “boleteria” comprar meu ingresso. Paguei 150 pesos, cerca de R$ 16,00, e adentrei ao campo. O Estádio Alfredo Victor Vieira é pequeno e até um pouco desleixado, ao contrário do Gran Parque Central, que está bem cuidado. Porém, a sensação de ver um jogo naquela cancha acanhada é indescritível!

Equipe da casa entrando em campo

O Wanderers, mesmo com um time misto, devido à disputa da Copa Libertadores, começou melhor a partida e com mais posse de bola e fez 1 a 0 em uma bela cobrança de falta aos 25 minutos de jogo. Festa dos pouco mais de mil torcedores que estavam presentes ao Parque Vieira.

Os Bohemios continuaram melhores na partida, tendo chances, inclusive, de aumentar a contagem. Porém, como quem não faz leva, os visitantes surpreenderam e, no último lance do primeiro tempo, empataram: Wanderes 1, Atenas 1.

No intervalo, crianças jogavam bola no gramadinho atrás da arquibancada

No intervalo, caminhei pelo estádio e, logo de cara, uma curiosidade: crianças jogando futebol com gols caixote em um gramadinho atrás de uma das arquibancadas. Sensacional! Além disso, pude ir até a porta do vestiário, onde tirei foto no back drop de entrevistas da equipe. Conferi também um fotógrafo vendendo fotos novas e históricas da equipe boemia. De alimentação, além dos tradicionais churros e tortas fritas, vendiam também o choripan, um sanduíche de linguiça tradicional no país.

No segundo tempo, o Wanderers voltou apático e só não tomou o gol da virada logo de início porque o goleiro do time da casa fez três grandes defesas. Mas, por incrível que pareça, quando “Los Bohemios” voltaram a ter o domínio da partida, tomou um gol de contra ataque, em uma infelicidade do goleiro, que até aquele momento era o destaque do jogo: 2 a 1 para a equipe visitante.

Apesar da pressão, o Wanderers foi derrotado

Nos últimos minutos, o Atenas ficou com os onze jogadores atrás da linha da bola e o Wanderers foi para o abafa, tentando buscar o empate. No fim, os visitantes voltaram para San Carlos com três pontinhos na bagagem.

Saí do estádio, peguei o ônibus e voltei para o hotel, onde me encontrei com minha esposa, que aproveitou a manhã para descansar. Depois, saímos para almoçar e nos preparamos para o último capítulo da série final de semana de futebol uruguaio: O jogo entre Peñarol e Defensor no Centenário. Mas esta história fica para amanhã.


←  Anterior Proxima  → Inicio

Um comentário:

  1. Victor, como escrevi anteriormente, também estive nessa cancha. Wanderers x El Tanque Sisley, domingo de manhã. Após o jogo, caminhei à procura de um ponto de ônibus que me levasse até o Parque Central. No meio do caminho, dei de cara com o estádio do Bella Vista e entrei. Fui na lanchonete, e uma senhorinha me tratou muitíssimo bem. O estádio tava bem malcuidado, deu pena de ver. Comi um lanche, e de lá fui pro jogo do Nacional. Tenho muitas fotos desses jogos. Abraço.

    Beto

    ResponderExcluir

O Curioso do Futebol

O Curioso do Futebol
Site do jornalista Victor de Andrade e colaboradores com curiosidades, histórias e outras informações do mundo do futebol. Entre em contato conosco: victorcuriosofutebol@gmail.com

Facebook

Twitter

YouTube

Aceisp

Total de visualizações